Ameaça do verão: especialistas alertam para avanço da chikungunya

Resultado de imagem para especialistas alertam para avanço da chikungunya

 

 

 

Em 1952, a população do sudeste da Tanzânia, na África, foi acometida por uma doença tão dolorosa que suas vítimas andavam com o corpo arqueado. A epidemia ficou conhecida como chikungunya — na língua kimakonde, “aqueles que se dobram”. O vírus CHIKV foi isolado e identificado em pequenos surtos na Ásia. Mas, por muito tempo, ficou adormecido. Até acordar, em 2004, no Quênia. Durante uma década, a ameaça se manteve distante do Brasil. Em 2014, porém, ela chegou. Agora bem-adaptado, o micro-organismo avança por todas as regiões, com um número de casos confirmados até setembro 880% maior que de todo o ano passado.

O boletim epidemiológico mais recente do Ministério da Saúde mostra que, de janeiro a 20 de setembro, foram notificados 236.287 mil casos, sendo que, desses, 116.523 de fato eram febre chikungunya. Esse número deve aumentar significativamente nos próximos meses, pois o vírus é transmitido pelo Aedes aegypti, mosquito que se prolifera nos meses chuvosos de verão.
“O chicungunha entrou no Brasil antes do zika, mas o período de incubação dele é mais longo. Por isso, se propaga mais lentamente”, explica Luiz José de Sousa, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica e diretor do Centro de Referência de Doenças Imuno-Infecciosas (CRDI-RJ), justificando o fato de, dois anos depois da entrada do vírus, haver uma explosão de casos. “Agora, a perspectiva é que este ano tenha um aumento muito maior, principalmente no Sudeste”, alerta o médico, também autor do livro Dengue, zika e chikungunya — diagnóstico, tratamento e prevenção.
Uma preocupação de Sousa é com o pouco conhecimento que se tem sobre a doença. “A dengue já foi altamente estudada. Mas há poucos estudos sobre chicungunha. Não se sabe, por exemplo, porque pacientes com doenças crônicas prévias, como diabetes e doença pulmonar obstrutiva, têm um risco de mortalidade maior. Sabe-se que há uma ação do vírus no endotélio vascular e no tecido das articulações, mas não se sabe o mecanismo”, exemplifica.
Do Diário de Pernambuco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>