Carne Fraca: Governo obriga 3 frigoríficos a fazerem recall de carne

O Transmeat, Souza Ramos e Peccin são alvos da Operação Carne Fraca, que foi deflagrada na semana passada e investiga um esquema de corrupção na fiscalização sanitária do Ministério da Agricultura. / Foto: Yasuyoshi Chiba / AFP

 

 

 

Três frigoríficos brasileiros deverão fazer um recall de todas as carnes vendidas em até cinco dias por determinação da Secretaria Nacional do Consumidor. O Transmeat, Souza Ramos e Peccin são alvos da Operação Carne Fraca, que foi deflagrada na semana passada e investiga um esquema de corrupção na fiscalização sanitária do Ministério da Agricultura.

A decisão, tomada na última quinta-feira (23) após a secretaria receber os documentos do Ministério da Agricultura, pede que todos os produtos sejam recolhidos “com o devido reembolso ao consumidor, daquilo que for por ele restituído aos pontos de venda”, disse o órgão que é ligado ao ministério da Justiça e encarregado da defesa dos consumidores.

O ministério informou à secretaria que no caso do frigorífico Souza Ramos, localizado em Colombo, no Paraná, o lugar “não detém controle dos processos relacionados a formulação e rastreabilidade de deus produtos elaborados, fato que levou à interdição do mesmo”.

Sobre o Peccin, também do Paraná, o ministério disse que existe “suspeita de risco à saúde pública ou adulteração” na produção. Já o Transmeat teria seu estabelecimento desprovido de “controle dos processos relacionados à rastreabilidade dos produtos”. Os frigoríficos já tinham sido interditados pela secretaria, mas, depois da decisão, também terão que pagar pelos produtos que já foram vendidos aos consumidores.

Países no mundo já tomaram medidas como a suspensão da importação e explicações sobre a origem e manuseio da carne brasileira.

O que o consumidor deve fazer

Quem adquiriu alguma carne desses frigoríficos deve procurar os canais de atendimento das empresas investigadas para obter informações sobre a qualidade e a segurança dos produtos, segundo a secretaria do consumidor.

No entanto, caso não haja atendimento adequado, o consumidor pode procurar o órgão de defesa do consumidor mais próximo para se orientar sobre os procedimentos que devem ser realizados ou para fazer denúncias. A secretaria ainda informou que vai continuar investigando e aplicará possíveis penas aos frigoríficos.

Resposta das empresas sobre o caso

A Peccin informou através de nota no site da empresa que as alegações da Polícia Federal não são verdadeiras e que está surpresa com a operação. No entanto, o frigorífico ressaltou que estará à disposição das autoridades para prestar os devidos esclarecimentos. Os outros dois frigoríficos ainda não se pronunciaram sobre o caso.

 

Do NE10

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *