Catarinense vem a Pernambuco procurar filha desaparecida há um ano

desaparecida

Depois de saber que a filha desaparecida foi vista com o pai na praia de Porto de Galinhas, em Ipojuca, a diarista Elizângela Martiniano, de 35 anos, não pensou duas vezes antes de vir do sul do Brasil a Pernambuco. A menina, atualmente com quatro anos de idade, foi levada pelo pai em janeiro de 2016, enquanto brincava com a mãe numa praça próxima à casa das duas, na cidade de Joinville, em Santa Catarina. Desde então, mãe e filha nunca mais se viram.

Elizângela acredita que a filha foi levada por vingança, já que o casal havia se separado no fim de 2015 e a criança sumiu um mês após a separação. “Ele continuava tentando me convencer a voltar, mas eu não quis. Quando eu e minha filha estávamos brincando numa praça, ele colocou a minha filha no carro e foi embora”, relembra. Desde então, a vida da diarista se transformou numa busca sem limites pela menina.

“Não tenho palavras para descrever. Isso pra mim já virou um pesadelo”, lamenta Elizângela, que conta com a ajuda de várias pessoas para viajar pelo Brasil em busca da criança. No Recife, ela foi acolhida por uma família que se sensibilizou com a história.

“Vim pra cá porque fiquei sabendo através da outra ex-mulher dele que ele estaria em Porto de Galinhas. Já fui até lá com a polícia, mostrei a foto da minha filha e ela foi reconhecida por algumas pessoas, mas não souberam me dizer onde ele vive ou onde está hospedado”, conta a mãe.

Apesar de a Justiça já ter determinado a busca e apreensão da criança, Elizângela lamenta a demora para solucionar o caso e encontrou na internet uma forma de ampliar as buscas. “Faço apelos nas redes sociais porque não tenho condições financeiras de procurar a minha filha. Espero encontrá-la o mais rápido possível e não me separar dela”, desabafa.

No Recife, as investigações estão sendo comandadas pelo delegado Ademir Oliveira, do Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente (DPCA). O responsável pelo caso informou que pediu ajuda aos policiais de Porto de Galinhas para encontrar a criança. Qualquer informação pode ser repassada ao Disque-Denúncia, no número (81) 3421-9595. (G1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *