Em defesa do povo serra-talhadense

 

 

Meus conterrâneos do Sertão pernambucano…

A cidade de Serra Talhada, distante 420 km da capital pernambucana, está localizada praticamente no centro do estado. A maior cidade do Pajeú, um polo educacional, inclusive com uma faculdade de medicina, um polo comercial já que recebe visitantes de mais de 50 municípios que aqui aportam para comprarem e fazerem negócios; um polo cultural e aqui nasceram e nascem artistas todo dia. Um polo médico: pacientes de diversas localidades visitam nossa cidade para realizarem consultas, tratamentos e cirurgias diariamente.

Somos uma cidade do sertão que em todas as eleições elege seus candidatos e ainda ajuda a eleger deputados forasteiros. Temos há diversos mandatos, representantes na Assembléia Legislativa e no Congresso Nacional e contamos com políticos de “força”, de “peso”, mas que dormem à sombra do governador do estado, e de braços cruzados, não lutam por uma causa justa e nobre que é uma unidade do IML no município. Nesse contexto cabem diversas interrogações.

– A cidade de Serra Talhada é a maior cidade do Pajeú e está geograficamente dividindo o sertão, diminuindo a distância entre diversas cidades do Pajeú e está próximo do sertão central e se dividirmos a distância, iremos encontrar a cidade de Serra Talhada no centro mais viável para a instalação do IML.

– A cidade é um polo médico, inclusive com uma faculdade de medicina. Por si só, já temos como justificar a necessidade crucial do IML.

– A cidade, diferentemente de outras cidades do sertão, tem em todos os mandatos representantes na Assembléia Legislativa e no Congresso Nacional, inclusive com diversos deputados. Qual o motivo do governador Paulo Câmara preterir a cidade, mandando um IML para o Araripe e deixando as famílias serra-talhadenses e circunvizinhas sem esse serviço de extrema necessidade?

Só quem passou pelo constrangimento de ver um entes queridos, fazendo turismo macabro num rabecão de cidade em cidade recolhendo corpos para fazerem autópsias no IML da cidade de Caruaru, para depois de aproximadamente 30, 40 horas serem liberados para o sepultamento é quem pode atestar a importância desse IML para Serra Talhada. Particularmente e graças a Deus, não tive essa experiência, mas, vejo a dor e a angústia de conterrâneos que passaram por ela. E vai mais uma interrogação. Aonde estão nossos representantes que inclusive estiveram juntos no mesmo barco de Eduardo Campos e não resolveram isso?

Hoje, divididos podem muito bem dizer que deputado não resolve nada, não tem o poder da caneta, mas, quando estiveram juntos não botaram o ‘pé no bucho’, não defenderam essa causa justa e nobre. E complemento com mais uma interrogação: Aonde fica a vergonha dos nossos representantes ao verem o governador Paulo Câmara preterir a cidade ao invés de contemplá-la?

EU, se fosse político de mandato, enfiaria a cara num buraco e teria vergonha de andar nas ruas e teria também vergonha de voltar a pedir votos de porta em porta.

SENHORES POLÍTICOS, DETENTORES DE MANDATOS NA MINHA TERRA, TENHAM VERGONHA NA CARA E LUTEM POR SERRA TALHADA, NÃO DEIXEM O GOVERNADOR IRRESPONSAVELMENTE DESVIAR ESSE IMPORTANTÍSSIMO ÓRGÃO DO NOSSO MUNICÍPIO. Vamos nos mobilizar e fazer um movimento de repúdio aos desmandos administrativos – eleitoreiros do governo Paulo Câmara com relação ao IML para o nosso município.

Irei empunhar essa bandeira e preciso do apoio de todos.

Convoco os meus amigos para juntos mostrarmos a nossa força… Tá passando o tempo de lutarmos pelo nosso povo. E vou logo dizendo: Não sou candidato a coisa nenhuma, apenas acho que devemos lutar pelo nosso povo sofrido. Conclamo mais uma vez para juntos realizarmos um ato público e vamos através de abaixo assinado, conseguir assinaturas para mostrar a nossa indignação com esse descaso para com o nosso povo. O governador Paulo Câmara precisa saber da indignação do povo de Serra Talhada.

Que Deus seja Louvado!

 

Iranildo Marques – Serra Talhada-PE

Poeta, jornalista, professor e empresário.

Crônicas JD por Dr. Tadeu Menezes

DSC_0329

 

Houve em um certo tempo um homem chamado Lucano. Formado pela universidade de Alexandria (a mais antiga do mundo), filho de Tribuno Romano, podendo desfrutar das regalias da côrte de Cezar; resolveu ir ao Oriente Médio. Onde, sabia ele , havia doenças, pobreza em excesso e carência em demasia de médicos. Foi ao Porto e pegou um barco que para lá se dirigia. Pela sua posição de médico e nobre, foi lhe dada a melhor acomodação daquela embarcação. Partiram e os dias foram passando, notando que, não paravam para abastecerem-se em nenhuma terra durante o trajeto, resolveu descer ao convés; fato que de início fora proibido por guardas postados à sua porta.

A noite embriagou seus vigias e desceu. A primeira coisa que viu foi hasteada no mastro uma bandeira amarela, simbolizando que ali havia a PESTE NEGRA (varíola). Sentindo o forte cheiro de pus que exalava das galês ninguém mais o parou. Adentrando lá, deparou-se com corpos inertes, outros agonizantes e alguns ainda com as mãos impulsionando os remos; despiu-se de suas vestes, fez delas apacentos, lavou-­os a todos e quando já amanhecia, terminado seu trabalho subiu aos aposentos e adormeceu.

Horas depois foi acordado pelo comandante que lhes disse: Todos os escravos cantam e estão livres da doença, após terem visto uma luz adentrando naquele local. Faço uma homenagem daqui aos MÉDICOS SEM FRONTEIRAS, aos que levam a cura ou conforto nos campos de combate, afegãos, iraquianos, na nossa amazônia, aos que as duas horas da manhã estão operando ou atendendo nos consultórios desse mundo e também nosso HOSPAM.

Ao contrário do que pensam grande parte, a maioria o fazem por amor a arte ou a Deus. Quem sabe? Não apontem o dedo! Vivam algumas horas conosco, sonhemos juntos, noites passadas sentados ao lado dos nossos semelhantes numa fria UTI ou num quarto sozinhos pensando: Onde foi que falhamos e perdemos para a última das Leis da Vida (a décima), a Lei da Morte.

Pensem…!

P.S Inspirado em Médico de Homens e de Almas.

Pediram-­me uma crônica sobre a Medicina atual no nosso meio. Dou-­lhes uma crônica da Vida e da Morte.

Dr. Tadeu Menezes ­ Ecotomografista ­ Serra Talhada PE