WhatsApp é notificado após anúncio de que não vai mais funcionar em celulares antigos

 

 

Resultado de imagem para whatsapp no celular

 

 

 

 

O WhatsApp recebeu uma notificação da associação de defesa do consumidor Proteste às vésperas da data anunciada pela empresa para suspensão do serviço em aparelhos antigos. Em fevereiro de 2016, o WhatsApp anunciou que deixaria de dar suporte a dispositivos com as seguintes plataformas: BlackBerry OS e BlackBerry 10; Nokia S40; Nokia Symbian S60; Android 2.1 e Android 2.2; Windows Phone 7; e iPhone 3GS/iOS 6.

O prazo dado era até o fim de 2016, mas a empresa controlada pelo Facebook estendeu o limite para os sistemas operacionais BlackBerry OS, BlackBerry 10, Nokia s40 e Symbian S60 até o dia 30 de junho deste ano.

De acordo com a Proteste, trata-se de um desrespeito ao consumidor, especialmente para quem escolhe utilizar um aparelho mais antigo com acesso ao serviço de telefonia provido por todas as operadoras no país. Segundo a entidade, a decisão fere o artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor no inciso 9º, que diz: “recusar a venda de bens ou a prestação de serviços, diretamente a quem se disponha a adquiri-los mediante pronto pagamento, ressalvados os casos de intermediação regulados em leis especiais.”

Em nota, o diretor de Relações Institucionais da Proteste, Henrique Lian, explica que uma vez que o aparelho funciona normalmente, a atualização é um direito do consumidor.

O WhatsApp afirma que foi um decisão difícil de ser feita, mas que estão pensando no futuro e vão concentrar os esforços nas plataformas de celular que a maioria das pessoas utilizam. “Por mais que esses aparelhos celulares tenham feito uma importante parte em nossa história, eles não possuem a capacidade requerida para que possamos expandir os recursos de nosso aplicativo no futuro”, diz empresa em seu blog.

 

Do Folhapress

 

Dados sugerem queda de nascimentos no Brasil no 2º semestre de 2016; zika pode ter tido impacto

Mãe cuida de filho com microcefalia em Pernambuco (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press)

No segundo semestre de 2016, a médica Sandra Valongueiro, pesquisadora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), começou a ouvir relatos sobre uma diminuição do número de mulheres nas maternidades do Recife. Como o estado foi um dos epicentros da emergência de zika a partir de novembro de 2015, a observação chamou a atenção da especialista, que também faz parte do Grupo de Pesquisa da Epidemia da Microcefalia (Merg, na sigla em inglês).

Ao mesmo tempo, a pesquisadora Leticia Marteleto, professora do Centro de Estudos de População da Universidade do Texas em Austin, nos Estados Unidos, passou a estudar os possíveis impactos da zika no comportamento reprodutivo. Entrevistas que ela e sua equipe fizeram com grupos de mulheres do Recife e de Belo Horizonte revelaram de maneira clara o medo de engravidar no contexto da epidemia, afinal grávidas infectadas por zika têm risco aumentado de terem bebês com microcefalia. As duas pesquisadoras se uniram para investigar se os números de nascimentos refletiam esses relatos.

A questão também despertou o interesse do médico Fredi Alexander Diaz Quijano, professor do Departamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), que iniciou uma busca por informações atualizadas sobre nascimentos no Brasil em 2016.

Atualmente, dados ainda preliminares obtidos pelo G1 sugerem uma redução do número de nascidos vivos a partir do segundo semestre de 2016 em todo o país, em comparação com os anos anteriores, precisamente nove meses depois do início da emergência por zika e microcefalia no país.

O G1 solicitou os dados de nascidos vivos por mês, de 2013 a 2016, ao Ministério da Saúde e às secretarias de saúde em todo o país. Recebemos do ministério os dados nacionais de nascimentos e, das secretarias, os números específicos referentes a 10 estados. As informações estão representadas no infográfico. Além disso, também foram obtidos dados de nascimentos referentes a 11 capitais.

Há algumas limitações em relação a esses números. O registro de nascidos vivos não é imediato: existe um período de latência entre o nascimento ocorrer, ser registrado pelos municípios e essa informação ser inserida no sistema nacional. Portanto, nascimentos ocorridos em 2016 podem ainda não constar no sistema, especialmente aqueles ocorridos no segundo semestre.

Queda significativa

Se os dados consolidados de nascimentos no Brasil de 2016 se mantiverem estáveis mesmo após a contabilização de registros tardios, eles revelarão uma queda estatisticamente significativa a partir do segundo semestre, segundo Fredi Quijano. Ele lembra que essa redução pode ter outros fatores envolvidos, como a crise econômica e a instabilidade política, que podem fazer com que as famílias se sintam mais inseguras para ter filhos.

Por outro lado, o fato de estados especialmente afetados por ocorrências de zika e microcefalia terem tido uma queda maior torna plausível a hipótese de que o zika teve um papel importante. “A gente ainda tem que conferir a qualidade dos dados e não se pode descartar outras explicações, mas, se for essa a razão, é um achado bem interessante que fala do impacto que pode ter sobre a comunidade uma situação de pânico e de alarme associado a um evento epidemiológico como a epidemia por zika”, diz Quijano.

“Tanto a crise econômica quanto a crise política podem entrar como fatores associados. Por outro lado, tem o fator da zika, não se pode tirar o papel da zika”, avalia diz Leticia Marteleto.

Em nota, o Ministério da Saúde esclareceu que “não é possível, neste momento, estabelecer relação entre o número de nascidos vivos e a microcefalia” devido ao caráter preliminar dos dados.

Apesar disso, em um estado como Pernambuco, onde o efeito aparece de forma bastante clara, dificilmente registros tardios poderiam reverter a tendência. Segundo Sandra Valongueiro, o estado registrou cerca de 15 mil nascimentos a menos entre agosto e dezembro de 2016 em comparação com os anos anteriores. “A gente acha que essa queda está posta, pelo menos nesses meses. Só não sabemos se isso vai continuar nos meses seguintes ou se vai ser algo temporário”, diz Marteleto.

Pernambuco foi o primeiro estado onde o aumento dos casos de chamou a atenção das autoridades de saúde. “É preciso lembrar que aqui a gente respirava zika. Nos serviços de saúde, era uma coisa muito forte, sempre havia mulheres com bebês com microcefalia. A gente estava vivendo de fato a epidemia”, observa Sandra.

Medo de engravidar

Em um estudo publicado em 5 de junho pela revista “Population and Development Review”, as pesquisadoras Letícia, Sandra e o restante de sua equipe relatam a percepção de mulheres sobre como a epidemia de zika impactou seus planos de engravidar. Em grupos de discussão organizados no Recife e em Belo Horizonte, essas mulheres contaram que viam a zika como uma tragédia que poderia acontecer com qualquer uma e que, por isso, preferiam evitar a gravidez ou pelo menos adiar os planos até que a situação melhorasse.

“Elas diziam claramente que não queriam ter filho, mais fortemente em Recife do que em Belo Horizonte. Mencionavam, por exemplo, que tinham visto no ônibus uma criança que parecia ter microcefalia. A proximidade da doença fazia com que esse pânico e esse desejo de evitar a gravidez fosse muito mais forte no Recife”, diz Letícia.

O medo, segundo a pesquisadora, apareceu em todas as classes sociais. As mulheres de classes mais altas, porém, demonstraram ter mais acesso a informações confiáveis sobre o problema.

Mesmo em áreas que não foram afetadas de maneira tão intensa pela microcefalia, como São Paulo, o medo esteve presente. “O grande medo da microcefalia assustou bastante as mulheres e coube aos médicos explicarem que, na região Sudeste, esse não era um problema tão comum e que existiam formas de prevenir, como o uso de repelente”, diz a médica Zsuzsanna Ilona Katalin de Jármy Di Bella, professora do Departamento de Ginecologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e Coordenadora do Ambulatório de Planejamento Familiar da instituição.

Luciana de Souza Alonso Carvalho, de 35 anos, tinha planos de engravidar e até começou um tratamento de fertilidade no início do ano passado, mas logo começaram a chegar as notícias da epidemia do zika. “Apesar de morar aqui em São Paulo, tenho familiares em outros lugares e viajava bastante para visitar”.

Ela resolveu adiar os planos. “Foi uma decisão bem triste. Agora é partir pra próxima e tentar novamente. Fiz isso justamente para não ficar ansiosa, o que já sou por natureza, e isso seria só um agravante. E também por segurança.” Com a queda dos casos no início de 2017, resolveu retomar as tentativas.

Maior demanda por aborto?

Para a pesquisadora Greice Maria de Souza Menezes, médica epidemiologista do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (UFBA), é preciso levar em conta o quanto a emergência de zika também pode ter impactado nas demandas por aborto. Como a prática é ilegal no Brasil, com exceção de algumas situações específicas, é difícil medir esse possível efeito.

Mas um estudo publicado na revista “The New England Journal of Medicine” em julho de 2016 aponta para um aumento da demanda por medicações abortivas por meio da ONG Women on Web em países da América Latina afetados pela zika. No Brasil, o aumento foi de 108% a partir do anúncio da emergência. (G1)

Líderes de ‘operação padrão’ da PM de Pernambuco são expulsos da corporação

Presidente e vice da ACS-PE (de amarelo) chegaram a ser persos no fim do ano (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press)

O presidente da Associação dos Cabos e Soldados de Pernambuco (ACS-PE), Alberisson Carlos, e o vice da associação, Nadelson Leite, foram expulsos da Polícia Militar. Os dois estavam entre os líderes do movimento da categoria no final do ano, quando policiais abandonaram o Programa de Jornadas Extras (PJEs) e iniciaram a operação padrão. A portaria, assinada pelo secretário de Defesa Social Angelo Gioia, foi publicada no Diário Oficial desse sábado (17).

Os dois chegaram a ser presos durante uma assembleia da categoria, na Praça do Derby, em dezembro. Na época, as associações de classe reivindicavam aumento salarial e melhorias nas condições de trabalho. Devido a operação desencadeada pelos policiais, as Forças Armadas foram acionadas e reforçaram a segurança do estado até o começo deste ano.

A portaria de exclusão aponta que os Alberisson Carlos e Nadelson Leite respondiam a inquérito militar por “tecerem críticas ao Secretário de Defesa Social e comentários desonrosos ao Governador do Estado, em vídeos divulgados nas redes sociais”. Eles foram denunciados pelo artigo 166 do Código Penal Militar, por publicação ou crítica indevida.

O texto aponta ainda que o relatório concluiu que ambos, “com seus comentários falaciosos e inconsequentes, aproveitando-se de um momento acirrado de negociações salariais, buscaram tão somente fragilizar a hierarquia e disciplina, pilares básicos da instituição militar, fomentando a insubordinação dos seus membros contra superiores”.

A ACS-PE informou que “recebeu sem surpresa a decisão” e que “adotará todas as medidas administrativas e judiciais para sanar essa ilegalidade”.

PMs presos

No dia 6 de junho, a SDS já havia publicado no boletim-geral portarias que determinam a prisão de sete policiais militares envolvidos em manifestações realizadas para exigir aumento salarial, convocadas por associações da categoria em dezembro de 2016. As punições vão de 21 dias a 25 dias de detenção e atingem quatro cabos, dois soldados e um sargento.

Os atos foram realizados nos dias 6 e 9 de dezembro do ano passado, no Derby, na área central do Recife. O abandono dos cargos da jornada extra foi uma das medidas adotadas pelos integrantes das entidades representativas do militares para forçar o governo a abrir negociações. Para a SDS, essa prática provocou a redução da capacidade operacional da tropa. (G1)

Defesa Civil contabiliza cerca de 750 moradias em área de alto risco após enchentes em Pernambuco

Resultado de imagem para Defesa Civil contabiliza cerca de 750 moradias em área de alto risco após enchentes em PE

A Defesa Civil de Pernambuco contabilizou cerca de 750 moradias avaliadas como risco grau 4, ou seja, em área de alto risco, em nove dos municípios atingidos pelas chuvas no estado. O balanço foi divulgado nesse sábado (17), após a reunião do gabinete de crise implantando pelo governador Paulo Câmara para acompanhar a situação das cidades afetadas pelas enchentes.

Pernambuco conta ainda com 2.064 pessoas desabrigadas e outras 33.779 desalojadas – mais de 55 mil chegaram a ficar fora de casa devido às chuvas. Ao todo, 27 municípios estão em emergência devido às enchentes no estado.

Nos locais identificados como de alto risco, a Defesa Civil pretende utilizar a tecnologia de geomanta para impermeabilizar as barreiras e evitar deslizamentos. O governo espera conseguir R$ 30 milhões com a União para a utilização da tecnologia. Além disso, devem ser aplicados cerca de 170 mil metros de lonas.

A meta é beneficiar 3.750 pessoas dos municípios de Catende, Belém de Maria, Sirinhaém, Joaquim Nabuco, Cortês, Ribeirão, Jaqueira, Maraial e São Benedito Do Sul com a utilização da geomanta.

Chefe da Casa Militar, o coronel Eduardo Pereira ressalta que a tecnologia foi escolhida para evitar que as pessoas precisem sair das suas casas, uma vez que ela oferece a segurança necessária, além de ter um custo e tempo muito menor do que a construção de novas moradias.

Os locais escolhidos foram visitados por equipes com engenheiros e geólogos, que estudaram as características de cada encosta para saber em quais cabem a colocação e, também, escolheu-se as áreas que abrigam uma quantidade maior de pessoas.

Operação Prontidão

As equipes do governo pernambucano distribuíram 178,4 mil metros quadrados de lonas; 12.790 kits dormitórios; 12.318 colchões; 203,7 toneladas de alimentos; 250,6 mil litros de água; 10.159 kits de limpeza; 5 mil kits de higiene; e 112,4 toneladas de roupas.

Um mutirão também vem sendo realizado para emitir novamente os documentos perdidos pela população nas enchentes, que atingiram principalmente a Mata Sul e o Agreste do estado. No total, foram emitidos mais de 1.800 documentos, entre registros de nascimento (877), comprovantes de CPF (135), carteiras de identidade (800), registros de casamento (60) e certidões de óbito (5).

Medidas

Nessa semana, o governo anunciou que vai antecipar o pagamento de 50% do 13º salário para servidores estaduais que moram nas 23 cidades mais prejudicadas pelas chuvas ocorridas no fim de maio. O dinheiro será depositado na quinta-feira (29).

Na quinta-feira (15), foi anunciado que mais três prefeituras cancelaram os festejos juninos por causa dos danos provocados pelas chuvas e enchentes. São elas: São José da Coroa Grande, Sirinhaém e Tamandaré. Até a quinta-feira (8), já tinham anunciado a desistência dos festejos Barreiros, Ribeirão e Rio Formoso. (G1)

Colisão entre moto e caminhão deixa homem morto na BR-232 em Serra Talhada

 

 

 

 

Uma grave colisão envolvendo um caminhão e uma moto na BR-232 em Serra Talhada deixou um homem morto na noite deste sábado (17).

Segundo informações, uma moto cinquentinha colidiu com um caminhão por volta das 19h00 nas proximidades do bairro Vila Bela. O condutor da motocicleta não resistiu aos ferimentos e veio a óbito no local.

Ainda de acordo com informações, a vítima era conhecida com “Sebastião” e residia no bairro Vila Nova.

Este é o segundo acidente com vítima fatal registrado em apnas uma semana nas proximidades do bairro Vila Bela na capital do Sertão do Pajeú. O último aconteceu semana passada quando um motociclista morreu, após colidir sua moto com um veículo saveiro.

Relembre: Colisão entre carro e moto deixa motociclista morto na BR-232 em Serra Talhada

Vítima: Sebastião

 

Agência do Trabalho anuncia vagas de emprego para Serra Talhada

Resultado de imagem para vagas de emprego

 

 

 

 

A Agência do Trabalho de Serra Talhada em parceira com o Jornal Desafio Online, atualizou seu cadastro de vagas de emprego nessa sexta-feira (16) e está oferecendo 04 oportunidades, são elas: Pintor, Auxiliar Administrativo, Auxiliar de Limpeza e Vendedor Pracista. (Vagas exclusivas para pessoas com deficiência).

Para concorrer basta enviar seus currículos para o e-mail:[email protected], juntamente com o número do PIS ou NIT e o cargo que pretende ocupar. A Agência está localizada na Avenida Afonso Magalhães, próximo à Câmara de Vereadores.

Maiores informações (87) 3831-9244 / 3831 – 9245 / 3831-9240. Confira as especificidades dos cargos abaixo.

 

Clique aqui para baixar o quadro de vagas de emprego

Estado assina acordo de reparação à família de jovem morto por bala de borracha disparada por PM

Resultado de imagem para Estado assina acordo de reparação à família de jovem morto por bala de borracha disparada por PM

 

 

 

 

Governo de Pernambuco assinou, nesta sexta-feira (16), um acordo de reparação à família do jovem, de 19 anos, atingido por um tiro de bala de borracha disparado por policiais militares durante um protesto contra a violência na cidade de Itambé, na Zona da Mata Norte do estado, e que acabou morrendo. O acordo prevê indenização por danos morais e pagamento de pensão aos pais de Edvaldo da Silva Alves por danos materiais. O valor combinado não foi divulgado.  (Veja o vídeo abaixo)

 

Segundo a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) de Pernambuco, não era necessário aguardar o fim dos processos disciplinares e penais para firmar a reparação por conta da força dos elementos colhidos.

“A responsabilidade do Estado já se encontrava suficientemente determinada”, diz o órgão em nota. O protesto pedindo mais segurança no município ocorreu no dia 17 de março. Gravemente ferido, o jovem ficou internado até o dia 11 de abril, data em que veio a óbito.

Advogado da família, Ronaldo Jordão afirmou que o acordo foi firmado “dentro do que jurisprudência permite”. “Agora, a gente quer retificar a denúncia dos PMs de homicídio simples para duplamente qualificado por motivo fútil e de impossibilidade de defesa da vítima”, apontou, sem entrar em detalhes sobre valores.

Além do pagamento à família, o acordo ainda trata de um investimento social na cidade, da ordem de R$ 200 mil. A quantia será revertida em ações sociais, a partir de sugestões apresentadas pela família de Edvaldo e analisadas tecnicamente pelo Governo do Estado e pela Prefeitura de Itambé. Para a PGE, a comunidade também foi atingida pela tragédia.

Por fim, a nota da Procuradoria esclarece que a formalização do acordo não interfere nos processos disciplinar e judicial em andamento, “que apurarão as responsabilidades dos policiais envolvidos no caso”. (G1

 

Agência do Trabalho divulga oportunidades de emprego para Salgueiro

Resultado de imagem para oportunidade de emprego

 

 

 

 

Foram divulgadas nessa sexta-feira (16), as vagas de emprego disponíveis para a cidade de Salgueiro,  no Sertão de Pernambuco. As oportunidades são disponibilizadas pela Agência do Trabalho de Pernambuco e atualizadas semanalmente no Jornal Desafio Online. As vagas estão sujeitas a alterações ao decorrer do dia.

Maiores informações (87) 3871-8467. Confira as especificidades dos cargos abaixo.

02 vagas – Operador de britagem – Ensino médio completo – Experiência na Carteira de Trabalho.

01 vaga – Encarregado de britagem – Ensino médio completo – Com experiência na CTPS – Possuir CNH na categoria B.

Trio é preso com drogas e carro roubado na BR-232, no Sertão de Pernambuco

Trio foi preso na BR-232 (Foto: Divulgação/PRF)

Três homens foram presos pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) na manhã dessa sexta-feira (16), em Cruzeiro do Nordeste, em Sertânia, no Sertão de Pernambuco. O trio portava cerca de um quilo de maconha e conduzia um veículo roubado.

Agentes da PRF realizavam fiscalização de rotina, na BR-232, no quilômetro 278 da rodovia, quando deram ordem de parada a um automóvel com placas do Ceará. Após vistoria minuciosa, os policiais verificaram que se tratava de um carro clonado, roubado em Pernambuco.

Durante a abordagem, foi localizado no interior do veículo um tablete de maconha, com cerca de um quilo da substância entorpecente. O grupo foi encaminhado junto com a droga e o carro para a Delegacia de Polícia Civil de Cruzeiro do Nordeste para a continuidade dos procedimentos legais. (G1)

Ex-vocalista da banda Cavaleiros do Forró morre em acidente de trânsito

Resultado de imagem para Ex-vocalista da banda Cavaleiros do Forró morre em acidente de trânsito

 

 

 

 

 

 

A cantora Eliza Clívia faleceu, no início da tarde desta sexta-feira (16). durante acidente de carro na cidade de Aracaju, em Sergipe. Ex-integrante das bandas Cavaleiros do Forró e Cavalo de Aço, a cantora realizava divulgação de sua carreira solo quando o veículo que se encontrava colidiu, por volta das 14h, na região central da cidade. A cantora faleceu no local.

Mais cedo, Eliza havia publicado uma foto em suas redes sociais em que aparecia em um estúdio de televisão, ao lado do sanfoneiro Nivaldo Cândido, realizando a divulgação de sua carreira solo. “Cheguei Aracaju! Já estou aqui na tvAperipê, com o querido Nivaldo Cândido daqui à pouquinho no ar, no programa Segurança em Alerta”, dizia o texto. O marido e baterista Sérgio Ramos também faleceu no acidente.

A cantora, que iniciou a carreira solo há quatro meses, após divulgar a saída do grupo Cavalo de Aço, se encontrava na capital sergipana para a realização de um show, nesta sexta-feira (16). O veículo que o casa se encontrava colidiu com um ônibus em um cruzamento na região central da cidade. Além deles, outros três integrantes da equipe estavam no veículo e foram socorridos com ferimentos leves. Segundo informações da Polícia Militar de Sergipe, eles foram identificados como Cleberton José dos Santos, João Paulo Tavares da Silva e Paulo Texeira de Carvalho.

Fãs da cantora e da banda publicaram diversas mensagens na imagem divulgada pela cantora no Instagram. “Sem acreditar, meus sentimentos aos familiares. Que Deus conforte os corações de todos nesse momento”, publicou um seguidor. “Meu Deus! Sem acreditar nessa tragédia, que Deus conforte o coração dos familiares e amigos!”, comentou outro.

Outro acidente envolvendo ônibus já havia vitimado integrantes da banda Cavaleiros do Forró em 2014, quando o grupo retornava de uma apresentação no agreste pernambucano e se dirigia a natal. O veículo que levava a banda colidiu com um ônibus deixando quatro vítimas fatais, entre eles o vocalista José Inácio, e 20 pessoas feridas.

Carreira
Nascida na cidade paraibana de Livramento, Eliza iniciou sua carreita de cantora por influência do pai sanfoneiro. Em 2003, entrou para a banda Caveleiros do Forró, com a qual chegou a gravar nove discos e seis DVDS. Dez anos depois, anunciou o desligamento do grupo ao lado do músico Jaílson Santos, então marido. Com Jaílson, retornou aos palcos ainda no mesmo integrando a banda Cavalo de Aço, ao lado de Marcelo Jubão e Neto Araújo, gravando outros três CDs e quatro registros audiovisuais entre 2013 e 2015. Sua saída foi anunciada no início deste ano para se dedicar à carreira solo.