Lula amplia liderança para 2018; Bolsonaro disputa segundo lugar com Marina, diz Datafolha

Resultado de imagem para Lula amplia liderança e Bolsonaro briga pelo segundo lugar

 

 

 

 

 

O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) subiu e atingiu a segunda posição – em empate técnico com a ex-senadora Marina Silva (Rede Sustentabilidade) – em pesquisa do Instituto Datafolha sobre a eleição presidencial de 2018, divulgada neste domingo, 30, pelo jornal Folha de S. Paulo. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aumentou a liderança na sondagem em dois cenários pesquisados. Os dois principais cenários da pesquisa divulgada neste domingo são comparados pelo instituto com levantamento feito em 16 e 17 de dezembro de 2015.

Esse é o primeiro levantamento do Datafolha depois da divulgação das delações de executivos e ex-executivos da Odebrecht na Operação Lava Jato.
Bolsonaro subiu de 4% para 15% e de 5% para 14% nos dois principais cenários pesquisados pelo Datafolha. No cenário 1, em que o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), é incluído, Lula aparece com 30% (ante 20% da última pesquisa), seguido por Bolsonaro (15%), Marina (14%), Aécio (8%), Ciro Gomes/PDT (5%), o presidente Michel Temer (2%) e Luciana Genro/PSOL (2%). Ronaldo Caiado/DEM e Eduardo Jorge/PV aparecem empatados com 1% cada. Votos em branco, nulos e em nenhum dos candidatos somam 17% e não sabem, 4%. Neste cenário, Aécio caiu de 26% para 8% e Marina caiu de 19% para 14%.
No cenário 2, quando o candidato tucano é o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, Lula permanece com os mesmos 30% (ante 22% da pesquisa de 2015). Neste panorama, Marina caiu de 24% para 16% e Bolsonaro subiu de 5% para 14%. Depois, vem Alckmin, que caiu de 14% para 6%. Ciro ficou com 6% e Temer, com 2%. Luciana Genro e Caiado têm 2% cada e Eduardo Jorge, 1%. Votos em branco, nulos e em nenhum dos nomes somam 16% e não sabem 4%.
No cenário 3, em que não há base de comparação com pesquisa anterior, Lula tem 31%, Marina aparece com 16% e Bolsonaro, com 13%. Neste recorte, foi incluído o nome de Doria, que tem 9%. Em seguida, vêm Ciro Gomes, com 6%, e Temer, com 2%. Luciana Genro também aparece com 2%. Caiado e Eduardo Jorge figuram com 1% cada. Em branco, nulos ou em nenhum dos nomes, 15%. Não sabem 4%
No cenário 4, em que não são pesquisados os nomes de Lula e Temer, mas é incluído o de Doria, o levantamento é liderado por Marina, com 25%, seguida por Bolsonaro, com 14%, Ciro (12%), Doria (11%), Luciana (3%), Eduardo Jorge (2%) e Caiado (2%). Votos em branco, nulos e em nenhum dos nomes somam 25% e não sabem, 6%. Neste cenário, também não há base de comparação com pesquisa anterior.
Num quinto cenário, sem Lula e Temer, mas com Alckmin, Marina lidera com 25%. Depois vêm, Bolsonaro (16%), Ciro (11%), Alckmin (8%), Luciana (4%), Caiado (2%) e Eduardo Jorge (2%). Em branco, nulos e nenhum somam 27% e não sabem, 6%. Também não há base de comparação com pesquisa anterior neste cenário.
O Datafolha realizou ainda um sexto cenário. Os números são os seguintes: Lula (29%); Marina (11%), Bolsonaro (11%), juiz Sérgio Moro (9%), Aécio (5%), Doria (5%), ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa (5%), Ciro (5%), Alckmin (3%) e apresentador Luciano Huck (3%). Neste cenário, votos em branco, nulos e em nenhum nome somam 11% e não sabem, 4%, e também não há base de comparação.
Do Diário de Pernambuco

Bolsonaro utiliza cota parlamentar em pré-campanha

Resultado de imagem para Bolsonaro utiliza cota parlamentar em pré-campanha

 

 

 

 

 

O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) tem usado sua cota parlamentar para custear viagens pelo país em que se apresenta como pré-candidato à Presidência em 2018.
A cota reembolsa viagens e outras despesas do mandato. Nas regras de uso, a Câmara diz que “não serão permitidos gastos de caráter eleitoral”.

O conteúdo das falas de Bolsonaro, contudo, é explicitamente voltado à disputa de 2018, em que aparece com 9%, segundo mostrou o Datafolha em dezembro.

Nos últimos cinco meses, ao menos seis viagens em que o deputado tratou publicamente de sua intenção de concorrer ao Planalto foram custeadas pela Câmara. Somam R$ 22 mil.

Mesmo em cidades onde ele não deu palestras, um roteiro se repetiu: chegada no aeroporto recepcionado por uma claque aos gritos de “mito” e “Bolsonaro presidente”.

O deputado nega estar em campanha e atribui as viagens à participação na Comissão de Segurança Pública da Câmara –onde é suplente.

Em novembro, a Câmara gastou R$ 2.500 para Bolsonaro ir ao Recife, onde deu palestra na Associação Pernambucana dos Cabos e Soldados. Foi apresentado como “futuro presidente do Brasil, o nosso mito”. Na ocasião, Bolsonaro disse que “vamos ganhar em 2018, porque somos a maioria no Brasil, homens de bem”.

Dias depois, ele viajou a Boa Vista (RR) por R$ 4.500, acompanhado de um assessor, cujas passagens, de R$ 4.000, também foram pagas com a cota parlamentar.

Lá, deu entrevistas e uma palestra promovida pelos sindicatos dos policiais civis e o dos federais de Roraima. No aeroporto, falou da necessidade de controlar a entrada de venezuelanos no Estado.

“Não estou em campanha, mas estou me preparando para, se o momento exigir, não ser mais um capitão, mas um soldado a serviço de vocês.”

Em dezembro, ele pôs na conta da Casa R$ 1.385 para ir a São Paulo dar uma entrevista ao programa “Pânico no Rádio”, em que disse que “a minha ascensão é no vácuo político que está aparecendo”. Era o encerramento da “semana dos presidenciáveis” do programa.

Em janeiro, foi à formatura de soldados da PM em Belo Horizonte. As passagens de ida e volta saíram da cota parlamentar por R$ 715.

No aeroporto, afirmou que “o Brasil tem jeito”, só “precisa de um capitão”. “Por coincidência eu sou capitão.”

Em fevereiro, Bolsonaro foi a Campina Grande e João Pessoa. As passagens custaram R$ 1.700. O gabinete arcou também com a viagem de um acompanhante, de R$ 1.900.

Em março, o deputado foi a São Paulo para encontrar um professor da Universidade Mackenzie especialista em grafeno, material constituído de carbono que faz parte de sua “plataforma” de inovação. As passagens custaram R$ 4.600, e a diária de hotel, R$ 280, pagos com a cota.

Outro lado

Em nota, o chefe de gabinete de Jair Bolsonaro, Jorge Francisco, negou que o deputado esteja em campanha ou pré-campanha eleitoral “seja para qual cargo for”.

Ele disse que as despesas ressarcidas pela Câmara “foram realizadas em consonância com os preceitos legais e regimentais”, “o que reforça a tese de que tais ‘denúncias’ somente têm o condão de tentar incluir o nome do deputado em atos supostamente escusos, diante da enxurrada de notícias de corrupção envolvendo outros políticos”.

“O que ocorre é que, por ser integrante da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, o deputado dispensa muita atenção aos assuntos relacionados”, declarou.

 

Da Folha de Pernambuco

Lula venceria Doria, Aécio, Alckmin e Marina no segundo turno e seria eleito presidente em 2018, diz Vox Populi

Resultado de imagem para Pesquisa CUT/Vox Populi mostra Lula como favorito para eleições presidenciais

 

 

 

 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aparece como favorito para vencer as eleições presidenciais em todos os cenários de primeiro e segundo turnos na pesquisa CUT/Vox Populi, realizada entre os dias 6 e 10 de abril e divulgada nesta terça-feira, 18, pela Central Única dos Trabalhadores (CUT).

No cenário em que o candidato do PSDB à Presidência é o senador Aécio Neves (MG), Lula aparece com 44% das intenções de voto, contra 9% do tucano. Na pesquisa de dezembro do ano passado, Lula tinha 37% e Aécio, 13%. O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) subiu de 7% para 11% na mesma comparação. A líder do partido Rede Sustentabilidade, Marina Silva, se manteve com 10% e Ciro Gomes (PDT-CE) com os mesmos 4%.

Com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) na disputa, Lula venceria com 45% dos votos, contra 12% de Bolsonaro, 11% de Marina Silva, 6% de Alckmin e 4% de Ciro Gomes. Na pesquisa de dezembro, Lula tinha 38%; Alckmin, 10%; Bolsonaro, 7%; Marina Silva, 12%; e Ciro Gomes, 5%.

A pesquisa colocou ainda o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), como candidato do PSDB. Ele teria 5% das intenções de voto, a mesma quantidade de Ciro Gomes. O ex-presidente Lula aparece com 45% das intenções de voto. Marina e Bolsonaro empatam com 11%. Em dezembro, não houve um cenário com Doria no levantamento.

Segundo turno. Nas simulações de um eventual segundo turno nas próximas eleições presidenciais, a pesquisa do Instituto Vox Populi mostra Lula vencendo de todos os adversários. A vitória com a maior vantagem para Lula seria se o concorrente fosse Doria: o petista venceria por 53% contra 16% do prefeito.

Enfrentando Alckmin, Lula teria 51% dos votos válidos contra 17% do tucano. Se o candidato fosse Aécio, o ex-presidente levaria 50% dos votos válidos e o senador teria 17%. Contra Marina, Lula venceria as eleições por 49% a 19%. A pesquisa não divulgou nenhuma simulação em que Lula não estaria no segundo turno.

Pesquisa espontânea. No voto espontâneo, quando os entrevistados falam em quem votariam sem uma lista de nomes, Lula tem 36% das intenções de voto. Doria aparece com 6%; Aécio, 3%; Marina, 2%; o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Alckmin têm 1%.

Apesar da vitória de Lula em todos os cenários, 66% dos entrevistas acham que Lula cometeu erros, apesar de ter feito “muito mais coisas boas pelo povo e pelo Brasil”. Esse índice era de 58% em dezembro.

Sobre os governos petistas, a pesquisa mostra que 58% dos brasileiros acham que a vida melhorou com Lula e Dilma Rousseff no governo. Por outro lado, 13% disseram que piorou e 28% responderam que nem melhorou, nem piorou.

A pesquisa entrevistou 2.000 pessoas em 118 municípios de todos os Estados e do Distrito Federal. A margem de erro é de 2,2%, com um índice de confiança de 95%.

 

Do Estadão

Sete pernambucanos são citados na lista de Fachin

Sete pernambucanos estão presentes na lista do ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal. Os nomes dos investigados foram divulgados com exclusividade pelo jornal O Estado de S. Paulo, na tarde desta terça-feira.
Os Pernambucanos são:
Bruno Araújo – PSDB
Fernando Bezerra Coelho – PSB
Humberto Costa – PT
Roberto Freire – PPS
Jarbas Vasconcelos – PMDB
Betinho Gomes – PSDB
Vado da Farmácia – PTB
Ao todo, a Procuradoria Geral da República (PGR) encaminhou ao STF os 83 inquéritos com base nas delações dos 78 executivos e ex-executivos da Odebrecht.
Com 5 denúncias em investigação, Aécio Neves (PSDB) e Romero Jucá lideram a lista dos políticos com maior número de inquéritos abertos. Renan Calheiros também se aproxima da liderança, com 4.
Com as informações divulgadas por Fachin, o Governo Temer sofreu fortes abalos, visto que quase 10 ministros estão sendo investigados: Eliseu Padilha (PMDB), da Casa Civil, , Moreira Franco (PMDB), da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Kassab (PSD), da Ciência e Tecnologia, Helder Barbalho (PMDB), da Integração Nacional, Aloysio Nunes (PSDB), das Relações Exteriores, Blairo Maggi (PP), da Agricultura, Bruno Araújo (PSDB), das Cidades, Roberto Freire (PPS), da Cultura, e Marcos Pereira (PRB), da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.
O depoimento e relatos de Marcelo Odebrecht serão levados em conta e serão usados em 7 inquéritos levados ao STF. De acordo com os delatores, os crimes que mais se repetem são os de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e formação de cartel e fraude a licitações.
Michel Temer também é citado como um dos nomes para entrar em dois dos inquéritos, entretanto, sua imunidade temporária de presidente da república não o inclui na a lista dos investigados. Crimes que não envolvem o mandato dele não podem encaixá-lo na investigação.
Do Diário de Pernambuco

Lula lidera corrida presidencial em Pernambuco com 65% da preferência

Resultado de imagem para Lula em Monteiro-PB

 

 

 

 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aparece na liderança da corrida presidencial em Pernambuco e, caso as eleições fossem hoje, ele estaria eleito com 65% dos votos, segundo pesquisa realizada pela Uninassau. Logo em seguida, aparecem Jair Bolsonaro (PSC) e Marina Silva, empatados com 6%. Também aparecem empatados na preferência dos pernambucanos o governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), o senador mineiro Aécio Neves (PSDB) e Ciro Gomes (PDT). Michel Temer nem não pontuou.

O estudo, realizado entre os dias 23 e 24 de março junto a 2.014 eleitores de todo o Estado, possui margem de erro de 2,2% e o índice de confiança é de 95%. Lula também lidera na pesquisa espontânea, com 58,8%, sendo seguido por Jair Bolsonaro (5,1%), Marina Silva (3,3%) e pela presidente deposta Dilma Rousseff (1,5%). Outros 3,2% citaram outros candidatos e 1,1% não escolheu nenhum candidato. Os que não responderam ou não souberam responder somaram 27% dos entrevistados.

A pesquisa também aponta que a gestão de Michel Temer é reprovada por 91% dos pernambucanos, sendo aprovada por apenas 5% da população. Ele também é apontado como o pior presidente do Brasil.

 

Da Agência Brasil

Armando Monteiro Neto e Mendonça Filho saem na frente nas intenções de voto para 2018

Resultado de imagem para Armando Monteiro Neto e Mendonça Filho

 

 

 

 

 

A pesquisa do Instituto Uninassau também perguntou aos eleitores em quem eles votariam, se a eleição fosse hoje. O ministro das Cidades, Bruno Araújo, do PSDB, aparece com 2% das citações. Paulo Câmara, com dois anos de gestão, teria 6% das intenções de voto.

O ministro da Educação de Temer, Mendonça Filho (DEM), surge com 12% das intenções de voto. O pré-candidato melhor colocado é o senador Armando Monteiro Neto, do PTB, com 22% das intenções de voto.

De acordo com a mesma pesquisa, outros 25% entrevistados disseram não saber ou não responderam. Um percentual ainda maior, de 33% dos entrevistados, afirmou que votará em branco, em nulo ou mesmo em nenhum dos candidatos.

Somados estes dois últimos recortes, são 58% dos entrevistados que não querem nenhum dos nomes apresentados na pesquisa estimulada.

“O resultado da pesquisa é ruim não apenas para Paulo Câmara, mas para Armando Monteiro Neto também”, diz o coordenador geral da pesquisa, Adriano Oliveira.

“O recall do senador Armando Monteiro é baixo. Monteiro foi o principal adversário do atual governador na eleição de 2014. O porcentual de eleitores que não escolheram nenhum candidato é alto. Existe a ausência de um nome forte eleitoralmente da oposição”, comentou.

Pesquisa espontânea

Na pesquisa espontânea, onde os nomes são citados pelo próprio entrevistados, Armando Monteiro Neto aparece com 13%, Mendonça Filho com 4%, Jarbas Vasconcelos com 3,4%, Paulo Câmara com 3,3% e Bruno Araújo teria 1,1%.

Amostra em todo o Estado

Para pesquisar as demandas de Pernambuco e o humor dos eleitores, o Instituto Nassau ouviu 2.014 pessoas (o padrão destes levantamentos de opinião é 1,5 mil pessoas), em todo o Estado de Pernambuco.

A amostra foi coletada no Recife, Região Metropolitana do Recife, Zona da Mata, Agreste, Sertão e sertão do São Francisco. A pesquisa foi realizada nos dias 23 e 24 de março.

Do Blog de Jamildo

Região Nordeste permanece com a pior avaliação sobre o governo Michel Temer

Resultado de imagem para Região Nordeste permanece com a pior avaliação sobre o governo Temer

 

 

 

 

 

Pesquisa Ibope encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) aponta que o governo do presidente da República, Michel Temer, permanece com o maior porcentual de rejeição na Região Nordeste, onde tem 67% de avaliações ruins ou péssimas. Na última pesquisa, em dezembro do ano passado, este número era de 57%.

A reprovação nos Estados do Nordeste representa mais de 10 pontos porcentuais acima da segunda região com pior avaliação, o Sudeste, onde 52% avaliam o governo como ruim ou péssimo – na última pesquisa, o número era de 46%. Em seguida está a Região Norte/Centro-Oeste, com 49% de reprovação, frente 39% em dezembro do ano passado. No Sul, a rejeição ao governo passou de 40% para 48%.

A média no País para a avaliação ruim/péssima do governo subiu de 46% para 55%. A margem de erro estimada é de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi realizada de 16 a 19 de março deste ano. O levantamento ouviu 2 mil pessoas em 126 municípios.

O Sul também se manteve como a região que melhor avalia o governo Temer, onde 17% dos entrevistados o consideram ótimo/bom – na última pesquisa, este número era de 20%; em segundo lugar está a região Norte/Centro-Oeste que se manteve em 13%; seguido pelo Sudeste, que oscilou de 12% para 10%; e Nordeste, que passou de 9% no ano passado para 6% em março deste ano.

Ao mesmo tempo, é na Região Sul onde a piora foi mais intensa – com retração de 10 pontos – nos porcentuais dos que confiam no presidente (agora em 17%) e dos que aprovam a sua maneira de governar (27%).

Na Região Norte/Centro-Oeste, a confiança oscilou de 26% para 19%. Já os que aprovam a maneira de governar diminuíram de 31% para 23%. No Sudeste, a queda na confiança foi de 21% para 18%. Já o que aprovam a maneira de governar caíram de 24% para 20%.

O Nordeste, por sua vez, se mantém com os menores índices de confiança no presidente (13%) e na aprovação na maneira de governar (13%). No final do ano passado, os porcentuais eram de 19% e 20% respectivamente.

 

Do Estadão

STJ nega habeas corpus a Eduardo Cunha

Resultado de imagem para STJ nega habeas corpus a Eduardo Cunha

 

 

 

Por unanimidade, a 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve preso o deputado cassado Eduardo Cunha. O ex-presidente da Câmara está preso em Curitiba, no âmbito da Operação Lava Jato, desde outubro. Ele é réu por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Em fevereiro, o Supremo Tribunal Federal (STF) negou um recurso da defesa de Cunha. Entre outras coisas, o plenário da Corte considerou que já estava em tramitação no STJ um habeas corpus ainda pendente de análise. A partir de agora, com a negativa da 5ª Turma do STJ, os advogados do peemedebista podem novamente recorrer ao Supremo.

Cunha aposta nos tribunais de Brasília – STJ e STF – para sair da prisão. Até agora, no entanto, os julgamentos foram negativos para a defesa do peemedebista. Interlocutores de Cunha dizem que o ex-presidente da Câmara não admite falar em negociação de delação premiada antes de esgotar todas as possibilidades de defesa.

Na 5ª Turma do STJ, os ministros seguiram o voto do relator, ministro Félix Fischer. Para ele, enquanto o dinheiro supostamente recebido por Cunha a partir da prática de crime não for totalmente rastreado há risco de “dissipar o produto do crime”, o que inviabiliza a recuperação dos valores. Os ministros apontaram que há indícios de crimes envolvendo ao menos US$ 1,5 milhão.

Cunha foi preso em 19 de outubro, na ação em que responde por lavagem de dinheiro e corrupção, acusado de receber propina oriunda de um contrato da Petrobras na África e manter o dinheiro em contas secretas na Suíça. O caso foi encaminhado a Moro após ele ser cassado e perder o foro privilegiado.

Em Serra Talhada, Paulo Câmara lidera para o Estado. Lula tem ampla preferência na corrida presidencial

 

 

 

O Instituto Múltipla quis saber como está em Serra Talhada a preferência do eleitorado para a corrida ao Governo do Estado e para Presidente da República. A primeira mostra um cenário mais equilibrado. A segunda, ampla vantagem para o ex-presidente Lula.

 

Quando a pergunta é sobre em quem o serra-talhadense votaria se as eleições fossem hoje para o Governo do Estado, o atual governador Paulo Câmara aparece com 32,8%, contra 24,8% do Senador Armando Monteiro. O Ministro Mendonça Filho tem  14,2%. Bruno Araújo, 0,8%. Não sabem ou não opinaram, 21,2%. Outros foram citados por 5,2%. Considerando a margem de erro (5,5%), Câmara e Armando estão tecnicamente empatados, mesmo que no limite da margem.

Já para Presidente é ampla a vantagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele tem 70,8%, contra 8,8% de Marina Silva, 7,6% de Aécio Neves, 4,4% de Jair Bolsonaro. Ciro Gomes aparece com 0,8%. Outros, 2,4%.  Não souberam opinar 5,2%.

A pesquisa foi feita dias 12 e 14 de março. Perfil da amostra: Masculino 46,4%, Feminino 53,6%; 16 a 20 anos 11,2%, 21 a 29 anos 18,4%, 30 a 39 anos 24,4%, 40 a 49 anos 20,0%, 50 a 59 anos 11,6% e 60 anos ou mais 14,4%.

A amostra foi composta por 250 entrevistas aplicadas na população que tenha título de eleitor, more e vote no município de Serra Talhada e distribuída da seguinte forma: Cidade 72,8% e área rural (Distritos e povoados) 27,2%. O intervalo de confiança estimado é de 95% para uma margem de erro para mais ou para menos de 5,5%.

Localidades: Vila Bela, Nossa Senhora da Penha, Alto Bom Jesus, São Cristovão, Alto da Conceição, Tancredo Neves, Centro, Borborema, Universitário, AABB, IPSEP, Sem Teto, COHAB, Malhada, Baixa Renda, CAGEP, Caxixola, Várzea e Mutirão,  Bernardo Vieira, Caiçarinha da Penha, Logadouro, Luanda, Serrinha, Santa Rita, Taupiranga e Varzinha.

 

De Nill Júnior

Moro autoriza Polícia Federal a periciar acervo presidencial de Lula

Resultado de imagem para Moro autoriza Polícia Federal a periciar acervo presidencial de Lula

 

 

 

O juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, autorizou a Polícia Federal (PF) a periciar o acervo pessoal do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Moro atendeu a pedido feito pela força-tarefa da Operação Lava Jato, que apura supostos pagamentos mensais da empreiteira OAS por serviços de guarda de objetos pessoais recebidos como presentes oficiais durante o período em que Lula esteve no cargo.

De acordo com a decisão, assinada no dia 17 de fevereiro, a PF está autorizada a abrir e analisar o conteúdo de duas caixas identificadas com as palavras “praia” e “sítio”, que estão apreendidas no galpão do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP). Moro deu prazo de 20 dias para que a Polícia Federal apresente as conclusões sobre a análise do material.

O resultado da investigação poderá ser usado pela Lava Jato em outra investigação sobre ilegalidades em uma proposta de compra de um apartamento triplex em Guarujá, no litoral paulista, e a respeito de reformas no Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), local frequentado pela família do ex-presidente.

Em nota, a defesa de Lula informou que recorreu da decisão e disse que Sérgio Moro não tem competência legal para julgar questões referentes ao acervo da Presidência da República. Para os advogados, a decisão de Moro é ilegal e incompatível com os princípios constitucionais de impessoalidade e da legalidade.

“A composição do acervo presidencial de Lula seguiu as mesmas diretrizes observadas em relação a todos os ex-presidentes da República desde 1991, quando foi editada a citada Lei 8.394. Em 9 de fevereiro, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso prestou depoimento perante o juízo da 13ª Vara de Curitiba esclarecendo que os presentes por ele recebidos de chefes de Estado, nas viagens oficiais, foram incorporados ao seu acervo presidencial privado, a exemplo do que ocorreu com Lula”, argumentou a defesa.

 

Do Diário de Pernambuco