Serra: ‘o País gostaria que Dilma renunciasse’

 

Um dia após os protestos contra o governo, o senador tucano José Serra atribui ao ‘vácuo de poder’ na Presidência como a origem da crise atual.

Segundo ele, é tal a fraqueza do governo, e a combinação da crise econômica, política e moral, que “se o fator militar estivesse presente hoje, como em 64, estaríamos tendo perturbações gravíssimas nessa área”, embora ressalte “que não estamos tendo perturbação militar e não vamos ter”.

Em entrevista ao Valor, Serra firma que “a renúncia é prerrogativa de Dilma”. “Não tenho dúvida que o pais gostaria que ela renunciasse. Mas ela não vai fazer isso”.

Ele classifica ainda como “ativa e burra” a política de ajuste de Joaquim Levy e fala em “insanidade” da política monetária-cambial; alerta ainda que a ameaça de bomba fiscal no Congresso continua.

Embora afirme não ter planos de disputar a presidência, Serra gostaria que o vice Michel Temer assumisse o comando – neste desenho, ele seria eventual ministro da Fazenda, podendo tornar-se candidato ao Palácio do Planalto em 2018. (Brasil247)

Nunca vamos ter vergonha de ser PT, diz Lula

 

Às véspera das manifestações favoráveis ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta sexta-feira (14) que a militância petista não tenha vergonha de ser filiada ao PT.

Em evento de contraponto aos protestos de domingo (16), promovido em Brasília, o ex-presidente petista ressaltou que mesmo aqueles que não suportam ou odeiam o partido não conseguirão apagar as conquistas dos últimos treze anos, período em que o PT esteve à frente do Palácio do Planalto.

“Eu vim de São Paulo para cá com uma camisa preta. E resolvi nesse ato fazer uma homenagem ao PT para as pessoas perceberem que nós nunca vamos ter vergonha de sermos do PT”, afirmou ao iniciar seu discurso a uma plateia de militantes e simpatizantes do partido.

Segundo ele, protestos fazem parte do jogo democrático, desde que não sejam intolerantes “a ponto de não saber conviver com os contrários”. O petista lembrou que, por seu histórico como líder metalúrgico, é o “único cara do mundo” que não por reclamar de manifestações.

Além de elencar conquistas do partido na área da educação, na presença do ministro Renato Janine Ribeiro (Educação), o petista fez provocações ao governo do seu antecessor no Palácio do Planalto, Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

“Este país não nasceu para ser atrasado em educação. Atrasada neste país foi a elite que governou até outro dia, que não se preocupava em garantir escola de qualidade para todos”, criticou. “É por isso que conseguimos colocar em menos de treze anos [de governo] mais estudante na universidade do que a elite brasileira colocou em um século. Aí está um pouco da explicação do que eles têm contra nós”, acrescentou.

 

Da Folha de S.Paulo.

Estou vendo um apelo, pedindo um prefeito popular em Serra Talhada”, diz Marquinhos Dantas

Marquinhos

 

 

O radialista Marcos Dantas, pré-candidato a prefeitura de Serra Talhada, esteve mais uma vez no programa CADERNO 1 NO AR da Rádio Vilabela FM nesta quinta-feira (13) para falar da sua chegada ao SD (Solidariedade) partido pelo qual deverá está concorrendo na eleição de 2016.

“O povo quer um prefeito que anda na rua sem temer nada (…) quem se esconde do povo, não merece o voto do povo…Nosso governo vai ser o governo mais popular da história de Serra Talhada”, garante Dantas.

Marcos diz ainda que não diminui nada um prefeito atender e conversar com as pessoas “ele ganha”, frisa o pré-candidato.

Para ele a eleição de 2016 em Serra Talhada deverá ser disputada entre três candidatura, numa demonstração clara de que não arreda o pé da sua candidatura e lembra que seu nome tirará votos do prefeito Luciano Duque. “O voto nosso vem muito da ligação com o prefeito. a gente fez parte dessa construção aí…a gente não pode participar, não teve essa oportunidade, mas uma candidatura minha tira voto da situação. A gente é oposição sim, então acredito que de tudo que está aí se resume a três candidaturas”, declarou e disse ainda que o “sonho” do prefeito Luciano Duque é que saiam muitos candidatos a prefeito “porque isso vai dividir muito”, diz ele mas reforça que acredita em três candidaturas.

Para Dantas, assim como disse o Dr. Jailson em sua entrevista, não é improvável uma saída de Duque do Partido dos Trabalhadores, mesmo ele tendo negado esta possibilidade. “ser candidato pelo PT hoje, é complicado (…) sair nas portas dizendo que é candidato de Dilma, não é fácil”, disse Marcos Dantas.

Ele encerrou sua entrevista com mais uma das suas previsões. Na entrevista anterior Marcos previu de que a partir de 2017 o PT não governa mais Serra Talhada, desta vez ele disse que “Serra Talhada vai conhecer a partir de 2017 o prefeito mais popular da sua história…”

 

Do Caderno 1.

Pacientes reclamam de superlotação no Hospital Regional de Serra Talhada

 

 

Superlotação e falta de estrutura são algumas das queixas apontadas pelos usuários do Hospital Regional Professor Agamenon Magalhães (Hospam), localizado em Serra Talhada, Sertão de Pernambuco. O local atende a pacientes de municípios da região e de estados próximos. Em nota, direção do Hospam reconheceu problemas na emergência da unidade.

O estudante Robério Sá, de 20 anos, já enfrentou problemas para ser atendido no Hospam. Ele conta que após sofrer um acidente de caminhão, não obteve um diagnóstico preciso no hospital. “Depois disso tudo que aconteceu, não consegui diagnóstico porque, infelizmente, não tem estrutura no local. O atendimento é muito lento, os exames demoram muito e não são feitos com precisão. Os profissionais se sentem muito carentes com a falta de equipamento para poder atender às pessoas”, disse.

Maria de Lourdes, mãe da dona de casa Marlene dos Santos, também passou por dificuldades ao procurar a unidade. Ela está internada desde que sofreu um acidente vascular cerebral (AVC). “Ela começou a sentir fortes dores de cabeça e vomitou bastante e foi levada ao Hospam. Chegando lá foi atendida e ele [o médico] falou que era uma crise de nervos”, contou a filha. Depois do caso, Marlene disse que perdeu a confiança no hospital. “Eu mesma, quando estou doente, tenho até medo. Me seguro em casa para não ir”, enfatizou.

Em nota, a direção do Hospam informou que realmente há uma grande demanda na emergência da unidade, “mas esclarece que atende a todos os pacientes que procuram o serviço, com prioridade para os casos mais graves”. (G1)

Para senadores independentes, Dilma avisa que vai cortar ministérios

 

 

Em longa conversa com um grupo de senadores independentes, a presidente Dilma Rousseff disse que sua intenção é de reduzir o número de ministérios. Ela garantiu isso quando os senadores encaminharam essa proposta como forma de dar uma resposta a sociedade.

Durante duas horas, Dilma mais ouviu do que falou. Sorridente e bem disposta, a presidente surpreendeu os senadores. “Ela não estava com cara de crise”, comentou o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), que estava ao lado dos senadores Cristovam Buarque (PDT-DF), João Alberto Capiberibe (PSB-AP), Lídice da Mata (PSB-BA) e Lasier Martins (PDT-RS).

No encontro, os senadores independentes sugeriram que Dilma adotasse um governo de unidade nacional, como fez o ex-presidente Itamar Franco assim que assumiu o Planalto com o impeachment de Fernando Collor, em 1992.

“Falamos que Dilma tinha que deixar claro que esse não era um governo do PT, ou do PDT, ou do PMDB. E que ela tinha que falar que o partido do governo era o Brasil”, disse Randolfe. “Gostei dessa sugestão. Isso é importante”, respondeu Dilma segundo esse relato.

O grupo também sugeriu que Dilma adotasse um tom de humildade e reconhecesse os erros na política e na economia durante o primeiro mandato. E que ela fosse ao Congresso debater esse momento de crise. “Mas eu não quero tirar o protagonismo do Senado, que tem cumprido um papel fundamental nessa crise: o de poder moderador”, respondeu Dilma.

Nem todos os senadores do grupo dos independentes participaram do encontro. “Todos nós cobramos diálogo do governo. Por isso, no momento em que Dilma chama para uma conversa, acho importante participar”, disse Randolfe.

 

G1 – por Gerson Camarotti

Lula critica ministro do PDT: qual o charme de manter o Maneca?

O ministro do Trabalho, Manoel Dias, foi alvo de críticas do ex-presidente Lula durante reunião com o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB) e ministros peemedebistas. Dias já vinha sendo criticado por alguns setores do governo, mas o petista resolveu externar sua insatisfação no encontro.
No momento de crise política, junto à econômica, Lula defende que o governo cobre ministros e parlamentares de seus partidos. “Qual o charme de ter o Maneca ministro, se ele não executa nenhuma política pública e nem controla sua base?”, disse, segundo a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo.

A cultura do golpe ainda existe, diz Dilma

 

 

A presidente Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira (12), em entrevista ao jornalista Kennedy Alencar, exibida no telejornal “SBT Brasil”, do SBT, que não pretende deixar o cargo antes de concluir seu segundo mandato. “Jamais cogito renunciar”, afirmou ela, que criticou a tentativa de tirarem do poder uma “representante legitimamente eleita pelo voto popular”.

“Jamais cogito renunciar, porque não é possível que alguém, discordando de um processo ou de alguma política pretenda tirar um representante, no meu caso a presidenta, legitimamente eleita pelo voto popular”, afirmou. “Democracia exige respeito à instituição. Esse respeito à instituição é fundamental não é pra mim, para o meu caso, mas para todos os que vierem depois de mim”, afirmou.

“Temos que ser capazes de conviver com as diferenças e situações difíceis. Não somos mais uma democracia infantilizada. Manifestações são normais mas temos que lutar contra a intolerância. Ela divide o país e transforma manifestações em processos que levam à violência”, complementou.

“No passado até a nossa redemocratização, sistematicamente houve tentativas de golpe”, avaliou a presidente. “Esse passado não se coaduna com a nossa democracia moderna. Acho que a cultura do golpe existe ainda, mas não acho que tenha condições materiais de isso ocorrer”, ressaltou.

Apesar de não achar que tenha cometido “estelionato eleitoral” por não estar conseguindo cumprir promessas da campanha de 2014, a presidente admitiu que poderia ter investido mais em infraestrutura para levantar a economia. “Acredito que devia ter me esforçado para que o Brasil não tivesse tantas amarras pra investir”, afirmou.

O jornalista questionou ainda a presidente sobre a possibilidade de abertura de um processo de impeachment na Câmara, mas ela disse que não iria responder. “Não antecipo situações deste tipo”, afirmou.

Veja neste link a entrevista na íntegra

 

Via Blog do Magno.

Waldemar Oliveira afirma que é o pré-candidato do PR

 

O Advogado Waldemar Oliveira (Dema) concedeu entrevista a Rádio Líder do Vale FM, rebateu a notícia veiculada nos blogs da cidade de que Sebastião poderia disputar as eleições para prefeito em 2016 em Serra Talhada. Waldemar afirma que é sim o pré-candidato à prefeitura de Serra Talhada e que Sebastião Oliveira só sairá candidato se o seu nome não obtiver êxito nas pesquisas.

Prisões de irmão de Dirceu e de mais 2 da Lava Jato vencem nesta quarta-feira (12)

 

O prazo da prorrogação da prisão temporária do irmão de Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, irmão de José Dirceu, e de mais dois detidos na 17ª fase da Operação Lava Jato vence nesta quarta-feira (12). O grupo está detido na carceragem da Superintendência da Polícia Federal(PF) desde segunda-feira (03), em Curitiba.

Como a prisão temporária dos três investigados já foi prorrogada por mais cinco dias, o que pode acontecer agora é uma conversão para prisão preventiva, quando não há prazo para expirar, ou a liberdade.

O pedido para preventiva deve partir da PF ou do Ministério Público Federal (MPF) e a decisão vai depender do juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância.

A atual fase da Lava Jato, batizada de “Pixuleco” (apelido para propina), investiga um esquema de fraude, corrupção e lavagem de dinheiro na Petrobras. O foco são irregularidades em contratos com empresas terceirizadas.

Entre os presos estão o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, que cumpre prisão preventiva. Segundo as investigações, ele teria participado da instituição do esquema de corrupção na estatal quando ainda estava na chefia da Casa Civil, no governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

O advogado do ex-ministro nega irregularidades e diz que a prisão tem “justificativa política”. Até a manhã desta quarta, a PF não tinha definido a data para o primeiro depoimento dele. (G1)

Lula desafia oposição a viajar e ouvir o povo

 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não poupou críticas à oposição e disse que os que perderam as últimas eleições ainda não se deram conta que Dilma foi eleita. Ao participar da abertura da 5ª Marcha das Margaridas, Lula disse que os opositores ainda não “saíram do palanque”.

“Eles diziam que eu vivia no palanque, mas hoje quem não sai do palanque são eles”, ironizou o ex-presidente ao participar do encontro que tem como tema: “Desenvolvimento Sustentável com Democracia, Justiça, Autonomia, Igualdade e Liberdade”.

Lula defendeu a presidente Dilma Rousseff, disse que ela é alvo de preconceito por ser mulher e que a crise não e por culpa dela. Lula ainda se dedicou a comparar o desempenho na economia de seu governo e de Dilma com o desempenho do governo tucano. “No tempo deles desemprego não era 7% era 12,5%”, comparou o ex-presidente.

“Essas mesmas pessoas que hoje se apresentam como salvadores da Pátria se esqueceram de que quando eu cheguei ao governo este país estava quebrado e dependia do FMI”, criticou Lula, que ainda fez um desafio à oposição. Lula disse que está se preparando para andar o país, mas que duvida que os opositores do governo tenham a coragem de fazer o mesmo.  (Do Portal IG – Luciana Lima)