Delações da Odebrecht: Jarbas Vasconcelos e Eduardo Campos são citados em pagamento de caixa 2 para campanhas

Resultado de imagem para Jarbas Vasconcelos e Eduardo Campos

 

 

 

 

 

O deputado federal Jarbas Vasconcelos (PMDB) e o ex-governador Eduardo Campos (PSB) são citados em uma das delações premiadas enviadas pela Procuradoria-Geral da República ao ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com os delatores João Antônio Pacífico e Benedicto Júnior, os repasses, via caixa dois, foram de R$ 700 mil para a campanha de Jarbas, em 2010. Entretanto, há indícios de que os valores teriam chegado a R$ 2 milhões.

Segundo João Antônio Pacífico, os valores foram repassados para Jarbas, sob a justificativa de contribuição para a campanha, quando o deputado federal concorreu ao governo do estado. A Odebrecht também teria doado uma quantia, não informada, a Eduardo Campos, na época, mesmo ele sendo concorrente de Jarbas ao pleito de governador.

Ao reafirmar uma relação pessoal com Jarbas e dizer que o pagamento foi um “reconhecimento”, o delator alega que o repasse não foi realizado com o objetivo de ter vantagens em relação a futuras obras no estado. “A gente atua em Pernambuco desde 1919”, completou. No sistema, o parlamentar recebia o apelido de “viagra”.

O pedido de inquérito número 4.402 foi devolvido pelo ministro Edson Fachin à Procuradoria-Geral da República (PGR). No documento, Fachin pede que a PGR se manifeste sobre a eventual extinção da punibilidade de Jarbas. O pedido é baseado na data do ocorrido, a pena máxima prevista e a idade do deputado.

Em nota, a assessoria de imprensa do deputado federal Jarbas Vasconcelos diz que o deputado reitera que todos os recursos recebidos em suas campanhas, provenientes da Odebrecht ou de qualquer outra empresa, foram repassados dentro da lei e estão declarados e aprovados pela Justiça Eleitoral

A assessoria de imprensa do PSB ratificou, nesse sábado (15), o conteúdo de nota enviada na última quarta-feira (12). Nela, o partido afirma que apoia a quebra do sigilo das delações dos executivos da Odebrecht e reafirma a confiança em todos os filiados mencionados na lista.

O PSB também reafirma sua solidariedade à família do ‘nosso ex-presidente nacional Eduardo Campos, citado sem condições de se defender”. A sigla declara sua decisão de ‘atuar em todas as instancias para que seu nome e sua honra jamais sejam maculados”.

Do G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *