Estudantes de PE criam app para combater Aedes aegypti

Resultado de imagem para Estudantes de PE criam app para combater Aedes aegypti

 

 

 

Cansados de esperar por iniciativas do poder público no combate ao Aedes aegypti em seu bairro, alunos da Escola Desembargador Renato Fonseca, em Jardim Brasil, Olinda, decidiram utilizar a tecnologia para ajudar a população. Alunos da unidade de ensino criaram um aplicativo no qual moradores podem denunciar os locais com focos do mosquito. Munidos da informação, os estudantes visitam os locais e tentam solucionar o problema. Caso não consigam, levantam as informações e encaminham a demanda para a Prefeitura de Olinda, a fim de que tudo seja resolvido.

O aplicativo também traz informações sobre as doenças transmitidas pelo mosquito, como a dengue, a zika e a chikungunya. “Hoje em dia o acesso à tecnologia e à internet é muito grande, então isso facilita muito o nosso trabalho que já vem acontecendo há algum tempo. Fica mais fácil da gente entrar em contato com as pessoas e das pessoas entrarem em contato com a gente, e a gente tentar resolver, que é o nosso objetivo”, explicou a aluna Ingrid Rodrigues.

A professora Jorgecy Cabral conta que todo o trabalho de desenvolvimento do programa foi realizado pelos próprios alunos. “Eles foram para as casas, mapearam as ruas ao lado da escola e aí encontrara muitos focos de dengue. E hoje eles estão aí com uma nova ferramenta, que é uma aplicativo onde os próprios moradores podem denunciar onde há algum foco”, acrescentou.

A adesão à ferramenta já está acontecendo no bairro. A moradora Márcia Lima informou a existência de uma casa abandonada com vários focos do Aedes aegypti na Rua Caruaru. In loco, os garotos constataram não só uma casa abandonada, mas várias. Gente que ficou doente e de cama também não falta. “Você tem febre, fica arriada. Também é muito ruim você pagar por uma coisa que você não fez prosperar. Se cada um fizesse sua parte de guardar o lixo no lugar, de tampar as caixas d’água, acho que evitaria muito. Pra quem tem criança em casa, então, é muito ruim”, contou a moradora Juarane Kelly.

Como não conseguiram resolver o problema, os alunos levantaram as informações sobre o imóvel e repassaram os dados para o poder público. Em nota, A Secretaria de Saúde de Olinda informou que a situação de controle do mosquito Aedes na rua e do bairro de Jardim Brasil é satisfatória, conforme os últimos resultados do Levantamento Rápido do Índice e Infestação por Aedes Aegypti (Liraa).

Quanto a água acumulada nas casas, em especial as desocupadas devido as fortes chuvas que caíram e ocasionaram a saída dos moradores, o problema seria de competência de outro órgão de gestão pública do Estado, mas não informou qual. O texto ainda salienta que a equipe de agentes de endemias, responsável pela cobertura da área, faz visitas rotineiras com o objetivo de monitorar e prevenir a infestação do mosquito. O aplicativo está disponível para Android, na loja da Play Store, como o nome “Caça ao Aedes em Jardim Brasil” ou na internet. (G1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>