Pernambuco: Manifestante baleado por PM durante protesto respira com ajuda de aparelhos

O manifestante que foi baleado por um policial militar durante um protesto na cidade de Itambé, na Zona da Mata Norte do estado, segue internado Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e respira com ajuda de aparelhos. Entretanto, o boletim médico divulgado, nesta segunda-feira (20), pelo Hospital Miguel Arraes, ainda aponta uma melhora significativa no quadro de saúde.

O tiro atingiu uma veia na coxa e, no sábado (18), o estado de saúde dele era grave. O fato ocorreu durante um ato contra a violência na cidade, na sexta-feira (17). Além do homem, outros moradores fecharam a rodovia PE-75 por várias horas, pedindo mais segurança. Um vídeo enviado para o WhatsApp da TV Globo mostra o momento em que ele é baleado.

As imagens mostram uma discussão entre a vítima e uma mulher, com policiais em volta. Em seguida, é possível ver um policial perguntando: “É esse quem vai levar um tiro primeiro?”. O PM chama um colega armado e aponta o rapaz. Um tiro é disparado. Atingido, o homem cambaleia e cai no chão.

Após atirar, os policiais o arrastam pelo asfalto até a viatura da Polícia Militar, batem no rosto dele e o colocam na parte de trás da caminhonete. O veículo então deixa o local, sob gritos dos manifestantes. De acordo com a Secretaria de Defesa Social (SDS), a bala era de borracha.

A vítima deu entrada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Miguel Arraes, em Paulista, Grande Recife, em estado grave. Ele passou por uma cirurgia ainda na sexta-feira. De acordo com a unidade de saúde, o tiro atingiu uma veia na coxa e o paciente perdeu muito sangue antes de ser atendido. Como parte do tratamento, ele passou a fazer hemodiálise.

Em nota, a SDS informou que determinou a abertura de inquérito policial e procedimento administrativo para apurar a ocorrência. Ainda segundo o texto, a delegacia local está acompanhando o caso. A Corregedoria da SDS também instaurou procedimento disciplinar com o objetivo de investigar a conduta dos policiais.  (G1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *