Temer diz que todos os que querem tirá-lo do cargo estão sendo derrotados

Imagem relacionada

 

 

 

 

O presidente Michel Temer afirmou, nesta quinta-feira (3), que tem vivido um “processo kafkiano”, e ressaltou que têm sido derrotados todos aqueles que querem afastá-lo do comando do Palácio do Planalto. O peemedebista disse que a denúncia por corrupção passiva que poderia afastá-lo temporariamente do cargo não tem um “motivo sólido” e que se trata de um processo que “ninguém sabe bem o porquê” ou “por que prosseguiu”. A declaração, feita em entrevista à BandNews, é uma referência à obra “O Processo”, do escritor tcheco Franz Kafka (1883-1924), na qual um funcionário de uma instituição financeira é acusado de um crime que ele não sabe qual é.

A acusação contra o peemedebista foi apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e foi em parte baseada em áudio de conversa com o presidente gravado pelo empresário Joesley Batista, da JBS. “Eu vou ser um pouco talvez piegas, mas parece uma coisa kafkiana. Começa com um processo para retirar o presidente sem um motivo sólido. Sabe a história da gravação feita por um cidadão que havia confessado milhares de crimes? Foi muito bem urdida e articulada”, disse. Temer afirmou ainda que a “ideia kafkiana” está na apresentação de uma acusação que apresenta o presidente como se fosse “um grande corruptor” e o empresário como “o santo da história”. “Ao longo do tempo, tem havido a derrota de todos os que querem ver prosperar a possibilidade de afastamento do presidente da República”, acrescentou.

O peemedebista insistiu ainda que a gravação da conversa foi “ilícita” e não apresentou “fatos comprometedores”. Segundo ele, qualquer estudante do terceiro ano de direito diria que a denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, é inepta. “Quem ouve o áudio, ainda assim, não verifica nenhum compromisso meu que permitisse esse processo”, garantiu. Na entrevista, o presidente disse ainda que, em uma reforma politica, é favorável ao voto distrital e cláusula de barreira. Ele avaliou ainda que “não seria despropositado” discutir a adoção do parlamentarismo já em 2018. “Eu acho que podemos pensar em um parlamentarismo para 2018. Acho que não seria despropositado”, concluiu.

Da Folhapress

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *