Armando ressalta prestígio de Lula em Pernambuco e critica PSB

Senador Armando Monteiro Neto (PTB), pré-candidato ao Governo de Pernambuco

 

 

 

 

Ungido pelo bloco oposicionista para disputar o Governo de Pernambuco, neste ano, o senador Armando Monteiro (PTB) sabe que o ex-presidente Lula ainda detém a fidelidade de grande parte do eleitorado no estado. Por isso, no evento que anunciou sua pré-candidatura, nesta segunda (11), fez questão de enaltecer a trajetória do petista e criticar os adversários do PSB que recentemente “descartaram alianças com o presidente Lula” e agora buscam apoio eleitoral do PT. Para o petebista, estar ao lado de figuras como o deputado Mendonça Filho (DEM), que tentará uma vaga no Senado pelo grupo e foi ministro do governo Michel Temer (MDB), não prejudica a imagem da chapa.

Sempre entendemos que Lula é alguém que tem um grande prestígio em Pernambuco. Não só nessa eleição, mas em todas as eleições mais recentes. O povo reconhece que ele fez muito por Pernambuco. Então não há como desconhecer essa realidade. Mas o que estamos discutindo nesse momento é Pernambuco. Um novo caminho para o estado”, colocou Armando, durante entrevista à imprensa, após o evento oposicionista, realizado no Hotel Bugan, em Boa Viagem.

Na sua opinião, o PSB também terá que explicar, durante a campanha, como se posicionou contra os governos petistas, como no momento do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) em 2016, e agora busca fechar uma aliança com o partido, para fortalecer a chapa governista. “Precisamos lembrar que tem algumas forças que agora procuram o presidente Lula e que há pouco tempo descartaram alianças com o presidente Lula e com o PT. Nós não fazemos alianças ocasionais. Não fazemos alianças oportunísticas. Portanto, o povo vai entender qual dos palanques tem mais coerência, mais consistência. Agora sempre reconheci e sempre homenageei e continuarei homenageando a figura de Lula”, afirmou.

Questionado sobre a presença de Mendonça Filho na chapa oposicionista, disse que, apesar das origens distintas, possuem a “lealdade” como característica comum. “O que nos reúne é Pernambuco. Temos origens políticas distintas. Mas me sinto em muito boa companhia ao lado de Mendonça. Pela sua marca. Estive com Lula e Dilma até a última hora. Eu e Mendonça temos algo em comum, que é a lealdade. Portanto ele entende a minha circunstância e eu a dele. O importante agora é que possamos juntos olhar para frente”, argumentou.

Da Folha de Pernambuco 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *