Com mais 908 casos da Covid-19 e 17 mortes, Pernambuco totaliza 173.624 infectados e 8.890 óbitos

Profissional de saúde faz teste da Covid-19 em paciente — Foto: Mariana Padovan/Secom

 

 

Foram confirmados, nessa quinta-feira (19), mais 908 casos e 17 óbitos por Covid-19 em Pernambuco. Com esse acréscimo, o estado passou a totalizar 173.624 infectados pelo novo coronavírus e 8.890 mortes provocadas pela doença. Os números começaram a ser registrados no dia 12 de março.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), 23 dos novos casos são de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag), enquanto outros 885 são de pacientes com quadro clínico leve, que não precisaram de internamento hospitalar. Com isso, o estado passou a ter 27.658 casos graves e 145.966 quadros leves da doença.

Os óbitos registrados nesta quinta-feira (19) ocorreram entre os dias 13 de setembro e a quarta-feira (18).

Os casos do novo coronavírus estão distribuídos por todos os 184 municípios pernambucanos, além do arquipélago de Fernando de Noronha.

Além disso, o boletim desta quinta registrou um total de 154.312 pacientes recuperados da doença. Destes, 17.745 eram pacientes graves, que necessitaram de internamento hospitalar, e 136.567 eram casos leves.

Mortes

O governo confirmou, nesta quinta, nove mortes de mulheres e oito, de homens. Esses pacientes moravam em Afogados da Ingazeira (1), Alagoinha (1), Cabo de Santo Agostinho (1), Cachoeirinha (1), Camaragibe (1), Flores (2), Iguaraci (1), Jaboatão dos Guararapes (1), Moreno (1), Paulista (1), Pesqueira (1), Recife (2), Santa Cruz do Capibaribe (1) e Serra Talhada (2).

Os pacientes tinham idades entre 15 e 92 anos. As faixas etárias são: 10 a 19 (1), 30 a 39 (1), 40 a 49 (1), 60 a 69 (5), 70 a 79 (3) e 80 ou mais (6).

Do total, 16 apresentavam doenças pré-existentes: doença cardiovascular (10), hipertensão (8), diabetes (6), tabagismo/histórico de tabagismo (4), doença respiratória (4), doença renal (3), obesidade (1) e câncer (1). Um paciente pode ter mais de uma comorbidade. Um segue em investigação. (G1)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *