Jovem que teve couro cabeludo arrancado em kart corre risco de perder reimplante, dizem médicos

Image result for Jovem que teve couro cabeludo arrancado em kart corre risco de perder reimplante, dizem médicos

 

 

A jovem que teve o couro cabeludo e parte da pele arrancados num acidente de kart apresentou novos microtrombos, que são pequenas obstruções nas veias, na área da cirurgia de reimplante. Isso aumentou a possibilidade de perda do que foi reimplantado. Outros procedimentos são analisados pelos médicos, segundo o boletim do Hospital da Restauração (HR) nessa sexta-feira (16).

Débora Stefanny Dantas de Oliveira, de 19 anos, estava com o namorado na pista de kart em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, no domingo (11), quando o cabelo se soltou da touca e prendeu no motor. A pele desde a altura dos olhos até a nuca da vítima foi arrancada. Segundo o tio dela, Douglas Nascimento, era a primeira vez que Débora corria de kart.

A jovem foi socorrida pelo namorado, o microempresário Eduardo Tumajan, para o HR. Eduardo disse que pegou “o rosto dela na mão”, colocou em uma sacola e correu para levá-la ao hospital. O reimplante foi feito no atendimento de emergência. Os médicos conseguiram recuperar e reimplantar 80% da área atingida.

Após o reimplante, Débora passou por outra cirurgia para a retirada de trombos que surgiram na área do procedimento e, desde então, está internada na UTI.

A notícia sobre os microtrombos e a possibilidade um novo procedimento cirúrgico foi informada aos dois na quinta-feira (15). Segundo Eduardo, Débora está otimista e, como sonha ser médica, diz que o acidente fortaleceu ainda mais o desejo.

No boletim desta sexta, a equipe médica explicou que pode realizar enxertos no couro cabeludo da jovem com peles de outras regiões do corpo da paciente, como tinha sido dito a Eduardo. Qualquer intervenção deve ser feita de maneira planejada, apontaram os médicos.

O namorado de Débora informou que pretende levá-la para tratamento nos Estados Unidos. O hospital informou que soube da intenção da família de transferi-la e apontou que, caso isso ocorra, a paciente contará com o apoio da equipe médica do HR. (G1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *