Morte de mais uma jovem por infarto levanta sinal de alerta no Pajeú

A morte da jovem Beatriz Leite, de apenas 22 anos, repercute e é bastante lamentada nas redes sociais.

Estudante do curso de Direito da FASP, Beatriz era de Quixaba, mas residia em Afogados da Ingazeira na casa de familiares em virtude do curso e da profissão de contadora.

Informações de familiares que circulam nas redes sociais indicam que a jovem foi ao Hospital Regional Emília Câmara se queixando de dor e desconforto no peito. O médico plantonista teria ignorado algo mais grave e a mandou pra casa. Horas depois, ela foi encontrada morta por familiares em sua residência no Bairro São Braz.

O corpo seguiu para o Instituto Médico Legal (IML) de Caruaru, onde passou por exames para identificar a causa da morte. Uma das suspeitas é de que ela tenha sido vítima de um infarto.

Cuidados com infartos nessa faixa etária: até pouco tempo os infartos eram associados a pessoas que apresentavam baixa qualidade de vida e saúde, e também como algo mais comum em idosos ou pessoas de idade mais avançada. Entretanto, são cada vez mais comuns os casos de infarto fulminante em jovens e adultos com até 30 anos.

O número de jovens vítimas de infarto só cresce. Segundo o Ministério da Saúde, de 2013 pra cá os episódios de infarto entre adultos com até 30 anos subiram 13%.

O aspecto mais agravante é que, na população jovem, o infarto miocárdico costuma ser fulminante, ou seja, mata nas primeiras horas, sem muitas possibilidades de salvamento ou tratamento complementar.

Os sintomas de um ataque cardíaco nos jovens são diferentes dos que acometem os mais velhos: Eles são mais exuberantes, como dor no peito irradiando para os braços, sudorese fria, mal estar, náuseas e vômitos.

O mais importante nos casos de infarto é o tempo decorrido do início dos sintomas até a desobstrução da artéria. Quanto maior esse intervalo, maiores são as chances de sequelas.  Do Nill Júnior

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.