Pernambuco tem 1.548 obras paralisadas, aponta TCE

Obras não foram concluídas na Barragem dos Gatos, em Belém de Maria, na Zona da Mata de Pernambuco,  — Foto: Antônio Henrique/TV Globo

 

 

 

 

Pernambuco tem 1.548 obras paralisadas sob responsabilidade do governo do estado ou de prefeituras. É o que aponta o relatório anual do Tribunal de Contas do Estado (TCE), divulgado nesta quarta-feira (13). São R$ 7 bilhões em contratos e projetos que foram abandonados e ainda não beneficiaram a população. Mais de R$ 2 bilhões já foram gastos.

No último ano, 337 obras foram auditadas pelo tribunal e outras 137 foram retomadas ou concluídas. No relatório divulgado no fim de 2017, eram 1.547 obras paralisadas.

De acordo com o TCE, atualmente, 295 das obras paradas são de responsabilidade do governo estadual, o que representa um montante de R$ 4 bilhões. Outras 1.253 obras são vinculadas a prefeituras de 146 dos 184 municípios pernambucanos. O TCE afirma que os atrasos podem resultar em sanções, multas e até rejeição de contas públicas.

Entre as obras paradas, estão o projeto de navegabilidade do Rio Capibaribe, o Ramal da Copa, a ponte que liga os bairros de Monteiro e Iputinga, no Recife, e as reformas dos Hospitais Getúlio Vargas, Barão de Lucena, Agamenon Magalhães, Otávio de Freitas e Pronto-Socorro Cardiológico de Pernambuco (Procape), todos na capital.

Em dezembro, era possível encontrar entulhos, infiltrações, focos de dengue, materiais deteriorados e documentos espalhados pelo chão, sem o mínimo cuidado, nas obras paralisadas do Hospital Agamenon Magalhães.

Barragens

Das cinco barragens prometidas em 2010 pelo governo para evitar enchentes na Mata Sul do Estado, apenas uma ficou pronta. Serro Azul, em Palmares, foi inaugurada em 2017 com atraso. As outras quatro Igarapeba, Barra de Guabiraba, Gatos e Panelas II ficaram pelo meio do caminho. Não veem sinal de obras faz quatro anos.

Serro Azul, em Palmares, foi inaugurada em 2017  com atraso — Foto: Divulgação/Assessoria

 

A reportagem da TV Globo e do G1 visitou duas delas na última segunda-feira (11). A barragem dos Gatos fica em Belém de Maria, município da Mata Sul castigado pelas enchentes de 2010, 2011 e 2017. As imagens aéreas evidenciam o abandono: a construção, ainda no início, está tomada pela vegetação. Também é possível ver a erosão em dois pontos diferentes. Materiais de construção estão jogados.

Menos de cinco quilômetros adiante, às margens da mesma PE-123 tomada pelo barro decorrente da chuva e já próximo ao município de Cupira, fica a barragem de Panelas II. Nenhum vigilante foi visto no local.

A ordem de serviço foi dada em março de 2013 e o prazo de execução era de um ano. Dos R$ 51 milhões do projeto, quase R$ 30 milhões já foram investidos. Embora em estágio mais adiantado, a barragem de Panelas II também está à deriva. O paredão de concreto não foi finalizado.

Enquanto isso, os 12 mil habitantes de Belém de Maria e os outros milhares de moradores da Mata Sul convivem entre a esperança da retomada das obras e a apreensão que chega a cada chuva.

“Nós ficamos com medo. Não dormimos à noite quando chove. Se o rio está enchendo, ficamos de tocaia. Em todas as três enchentes, entrou água na minha casa, mas graças a Deus estamos vivos”, diz a dona de casa Josilene Farias.

O comerciante Cícero Florentino teve um prejuízo de R$ 200 mil na cheia de dois anos atrás. O rio passa por trás do seu restaurante. A cada enchente, se vê obrigado a recomeçar. “Por causa dessas enchentes, ninguém quer mais morar aqui e a cidade não cresce. É uma tristeza, né”, suspira. (G1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *