Pernambuco tem 3º pior saldo de geração de empregos do Brasil em abril de 2018

Setor de serviços apresentou crescimento em Pernambuco, com 885 vagas de emprego em abril de 2018 (Foto: Beatriz Braga/G1)

 

 

 

 

Em abril de 2018, Pernambuco foi o estado com o terceiro pior saldo de geração de empregos do país. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pelo Ministério do Trabalho, foram 30.163 admissões e 30.433 demissões, gerando um saldo negativo de 270 postos de trabalho encerrados. Em março, o estado teve o pior saldo do Brasil.

Em Pernambuco, o setor mais impactado foi o da construção civil, que fechou 382 vagas em abril deste ano. A indústria de transformação, outro setor impactado no estado, teve 375 postos de trabalho encerrados. Nesse segmento, o subsetor mais impactado foi o da indústria química de produtos farmacêuticos, veterinários e perfumaria, com 1.402 demissões.

Entre os municípios pernambucanos com mais de 30 mil habitantes, Bonito, no Agreste do estado, apresentou a pior variação, com 9,31% negativos, já que a cidade teve encerradas 181 vagas de emprego e 25 criadas. Vitória de Santo Antão, no Grande Recife, vem em seguida, com saldo de 5,17% negativos, com o fechamento de 1.348 postos de trabalho e 366 admissões.

Os dois estados brasileiros acima de Pernambuco no ranking dos piores saldo de geração de empregos são Alagoas, com 2.565 postos de trabalho encerrados, e o Rio Grande do Sul, com 1.252 demissões. Os números vão na contramão do cenário nacional, já que o país registrou a criação de 115.898 empregos formais no mês de abril deste ano.

Variação positiva

Dos oito setores registrados no Caged, seis tiveram variação negativa e dois, positiva. O de serviços apresentou crescimento no número de vagas, com a criação de 885 postos de trabalho em abril de 2018. Desse total, o subsetor de alojamento, alimentação, reparação, manutenção e redação teve maior destaque, com 683 vagas criadas. O setor de Serviços Industriais de Utilidade Pública também teve saldo positivo, com geração de 136 empregos em abril deste ano.

Olinda, por sua vez, é a cidade com maior número de postos de trabalho criados entre os municípios pernambucanos com população superior a 30 mil habitantes. Ao longo de abril deste ano, foram feitas 422 contratações a mais do que as demissões no mês. Em seguida, vem Petrolina, no Sertão, com 238 empregos gerados em abril.

Dados do quadrimestre

Nos primeiros quatro meses de 2018, Pernambuco teve 115.841 admissões e 126.440 demissões, o que resultou em 10.599 empregos encerrados. Nesse período, a indústria de transformação foi a principal responsável por causar a variação negativa de empregos, já que houve 16.772 vagas fechadas nos meses de janeiro, fevereiro, março e abril deste ano.

Em segundo lugar, está a agropecuária, com o fechamento de 6.383 postos de trabalho. O comércio vem em terceiro lugar, com o fechamento de 3.118 vagas no quadrimestre.

Por outro lado, as admissões superaram as demissões no setor de serviços, com 4.337 postos de trabalho criados nos quatro primeiros meses do ano. A construção civil também apresentou resultados positivos, com 735 admissões a mais do que as demissões no período. O setor de serviços industriais de utilidade pública teve resultado positivo de 63 vagas criadas. (G1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *