PF ouve diretor da Rodrimar sobre documento apreendido na empresa com nome de Temer

Resultado de imagem para PF ouve diretor da Rodrimar sobre documento apreendido na empresa com nome de Temer

 

 

 

 

A Polícia Federal ouviu na última quinta-feira (5) o diretor comercial e de logística da Rodrimar, Willy Reginaldo Maxwell, sobre um documento encontrado na empresa durante busca e apreensão no dia 29 de março, na Operação Skala, com o nome do presidente Michel Temer.

Durante as buscas em escritórios da Rodrimar, a Polícia Federal encontrou uma folha de papel contendo o nome de várias empresas e pessoas físicas, incluindo “Michel Temer”.

Segundo o auto de apreensão, o papel foi encontrado na sala de um gerente da empresa, no quinto andar – Willy Maxwell.

À PF, segundo o blog apurou, Maxwell disse ocupar a função de diretor na empresa e que “não tem ideia do por que o nome do presidente Michel Temer constar do papel”. Ele afirmou à delegada Patricia Klarosk, na Polícia Federal em Santos, que a sua sala na Rodrimar fica no “quarto andar, e que o papel foi arrecadado de uma mesa do setor de qualidade no quinto andar”.

Ele disse não saber quem fez o papel, apenas que o documento foi encontrado na “sala de qualidade” da Rodrimar. O diretor disse aos investigadores que “muitas vezes papéis antigos são feitos de rascunhos” e que, pelos nomes ali, acreditava que eram para algum evento antigo da empresa porque dois dos nomes eram de pessoas falecidas há pelo menos dez anos.

O depoimento dele faz parte das investigações do inquérito do Portos, que apura se Temer beneficiou empresas do setor de Portos, como a Rodrimar, com a edição de um decreto em 2017. O presidente nega.

No fim de março, a Operação Skala, autorizada pelo ministro Luís Roberto Barroso do STF, prendeu amigos do presidente envolvidos na mira desta investigação. Entre os presos, o coronel aposentado da Polícia Militar João Batista Lima Filho.

Durante a busca na Rodrimar, a PF encontrou também uma folha de papel com relação de empresas, entre elas, a Argeplan – que é de propriedade de Lima.

Lima e Temer são amigos há décadas. O coronel aposentado, para os investigadores, atua como interlocutor de Temer e é suspeito de receber propina que seria destinada ao emedebista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *