Três homens e mulher são condenados a penas de até 29 anos de prisão por estupro e morte de criança

 

 

Os quatro acusados de estuprar e matar uma criança de 9 anos, em Brejo da Madre de Deus, no Agreste de Pernambuco, em 2012, foram condenados a penas de até 29 anos de prisão. A sentença foi proferida, na noite dessa sexta-feira (28), durante julgamento realizado no Fórum Thomaz de Aquino, no Centro do Recife.

A suspeita é de que Flânio da Silva Macedo tenha sido vítima de um ritual. Esta sexta foi o segundo dia do julgamento, que começou na quinta-feira (27).

Os condenados pelo júri popular são Genival Rafael da Costa, de 62 anos; Maria Edileusa, de 51 anos; Ednaldo Justo dos Santos, de 33 anos; e Edilson da Costa Silva, de 31 anos.

De acordo com o TJPE, eles foram condenados por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, emprego de meio cruel e realizado para assegurar a ocultação ou impunidade de outro crime) e por estupro de vulnerável

Ainda segundo o TJPE, Ednaldo Justos dos Santos, Genival Rafael da Costa e Edilson da Costa Silva foram condenados a 20 anos de reclusão por homicídio triplamente qualificado e a nove anos por estupro de vulnerável, totalizando 29 anos de cadeia.

Maria Edileuza da Silva, informou o tribunal, foi condenada a 26 anos de reclusão. O TJPE justificou que a pena foi menor em relação aos demais condenados por causa da confissão dela.

Presidida pelo juiz Abner Apolinário, a sessão teve início por volta das 10h da quinta e, à tarde, foi suspensa. O julgamento foi retomado às 9h desta sexta.

Houve debate entre o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e a defesa dos quatro acusados. Os representantes do MPPE foram os primeiros a argumentar, com vídeos e reportagens sobre o crime.

Às 12h30, o juiz fez um intervalo para o almoço e, às 13h30, o julgamento foi retomado com a apresentação da tese de defesa. Às 16h10, começou a réplica dos representantes do Ministério Público e, às 17h30, a tréplica da defesa.

O Conselho de Sentença se reuniu às 20h, para deliberar sobre as acusações dos quatro réus. A sentença saiu por volta das 21h40.

O Ministério Público de Pernambuco denunciou que a criança teria sido estuprada e morta em julho de 2012. Na época do crime, a Polícia Civil informou que o menino estava desaparecido desde 1º de julho e teve o corpo encontrado dez dias depois.

A criança trabalhava fazendo frete em um mercado do distrito de São Domingos, para ajudar a família, e foi visto pela última vez na companhia de uma pessoa adulta, em uma bicicleta.

O corpo da vítima foi identificado pelo padrasto. Apesar do avançado estágio de decomposição, algumas roupas foram preservadas e permitiram o reconhecimento.

No local onde o corpo foi encontrado, na zona rural do distrito de São Domingos, havia diversos objetos que indicavam a realização de algum ritual, segundo o delegado responsável pela investigação. Foram coletados amuletos, recipientes de bebidas alcoólicas, pedras, ossos e buquês de flores. (G1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *