Uma semana após ser liberado, corpo de pernambucana morta na Nicarágua chega ao Recife

Image result for Uma semana após ser liberado, corpo de pernambucana morta na Nicarágua chega ao Recife

 

 

O corpo da estudante Raynéia Lima, pernambucana de 30 anos morta na Nicarágua no dia 23 de julho, chegou no início da madrugada desta sexta-feira (3) ao Aeroporto Internacional do Recife, na Zona Sul da capital. Uma semana após ter sido liberado pelo Instituto de Medicina Legal nicaraguense, o corpo foi recepcionado por parentes e representantes dos governos estadual e federal. O velório ocorre no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, na Região Metropolitana.

A aeronave que transportou o corpo de Raynéia deixou o Aeroporto Internacional Augusto César Sandino, em Manágua, capital da Nicarágua, às 14h30 (horário de Brasília) da quinta-feira (2), em direção ao Aeroporto Internacional Tocumen, no Panamá, antes de partir rumo ao Recife, onde chegou por volta de 0h40.

Logo após a chegada do corpo de Raynéia, a mãe dela, a aposentada Maria Costa, foi conduzida – junto com familiares; o secretário de Justiça e Direitos Humanos do estado, Pedro Eurico; e um representante do Ministério das Relações Exteriores – ao setor de cargas do aeroporto.

Maria Costa e familiares estavam muito emocionados. A solenidade de recepção do corpo, que havia sido planejada, não foi realizada.

Em seguida, por volta de 1h15, o corpo foi levado para o Cemitério Morada da Paz, no município de Paulista, no Grande Recife, para o velório, que começa às 8h. O sepultamento está previsto para ocorrer às 14h.

Segundo o secretário estadual de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, esforços conjuntos de Receita Federal, Polícia Federal e Ministério da Relações Exteriores ajudaram na liberação imediata do corpo. Mas ele criticou o tratamento que o governo federal deu ao caso.

“Entendemos a necessidade de o governo federal se engajar nessa questão. Não se engajou como deveria, pois ficou a cargo do governo de Pernambuco todos os custos, todos contatos, toda negociação”, afirmou.

Eurico espera agora participação ativa do governo federal no esclarecimento da morte de Raynéia. “Esperamos que que o ministro Aloysio Nunes (Relações Exteriores) dê sequência à representação que fizemos à Corte Inter-Americana, porque o que mais recebei (de questionamentos) aqui da família foi a cobrança para que esse crime não fique impune, não seja mais um crime político na América Latina que morre com o tempo. Nós queremos apuração. É uma estudante, uma pernambucana que foi barbaramente assassinada por um governo autoritário”, disse.

Gibson Rocha, professor e ex-cunhado disse a família vive um misto de consternação e revolta. “Sempre que acontece um crime tão brutal a gente fica sem palavras. Há muitas dúvidas de como se processou os últimos passos de Raynéia. Isso causa um mal-estar muito grande na família”, disse. (G1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *