Polícia apreende três menores com maconha e crack no bairro Borborema em Serra Talhada

 

 

 

 

Durante rondas realizadas na madrugada desse sábado (22) em Serra Talhada, policiais militares apreenderam crack e maconha, no bairro Borborema, nas proximidades de um posto de combustível, às margens da Br-232.

Segundo a Polícia Militar, o efetivo da ROCAM e do Trânsito, durante rondas, abordaram um grupo de suspeitos, tendo apreendido, em poder dos mesmos: 12 pedras de crack, uma porção de maconha, celular e dinheiro. Ainda foram apreendidos três menores e um maior.

Todo material apreendido, juntamente com os suspeitos, foram conduzidos e entregues na Delegacia de Policia Civil de Serra Talhada, para as devidas providências.

 

Com informações de Nayn Neto

 

 

Contra superbactérias, hospitais tentam conter abuso na prescrição de antibióticos

Uma causas da resistência bacteriana é o uso excessivo de antibióticos, inclusive dentro do ambiente hospitalar. (Foto: Freestocks/Joanna M. Foto)

No final de janeiro, a estudante macapaense Adrielly Gadelha Montoril, de 23 anos, se preparava para um final de semana tranquilo após sua rotina de hemodiálise. Três vezes por semana, ela era submetida à transfusão de sangue por meio de uma fístula arteriovenosa – ligação entre uma artéria e uma pequena veia feita em seu antebraço.

A doença renal crônica que a acometia estava sob controle, e nada no horizonte indicava que ela precisaria de intervenções médicas emergenciais. Mas uma dor insuportável em seu braço, iniciada numa sexta-feira, deu o sinal de que algo poderia estar errado.

“Eu peguei uma bactéria na fístula – não sabemos como. Fiquei em casa no final de semana chorando de dor, pedindo ajuda para meu pai. Meu braço queimava. Fiquei três dias tomando antibiótico, e ela só foi progredindo. Crescia. A gente pensava que ela estava morrendo. Eu tinha febre, aquela agonia no meu braço. Mas a gente não sabia o que era aquela bactéria”, relembra.

Na segunda-feira seguinte, quando Adrielly chegou ao hospital para uma nova sessão de hemodiálise, havia uma bolha negra em seu braço. “Os médicos se assustaram. Tiraram foto porque nunca tinham visto aquilo. Fui levada com urgência para a sala de cirurgia”, relembra. “Meus pais não queriam acreditar. A fístula é um canal para o coração. Foi um milagre eu ter sobrevivido.”

Adrielly foi vítima de uma infecção por uma versão resistente da bactéria Staphylococcus aureus. Além de ter que se submeter a uma cirurgia para limpeza da área, a estudante perdeu a chance de continuar com as transfusões.

Diante disso, a estudante teve que entrar de emergência na fila de transplante. Ela recebeu um novo órgão em abril. Após idas e vindas, teve alta definitiva na última terça-feira, mais de seis meses depois da infecção bacteriana.

Assim como Adrielly, casos de pacientes infectados por bactérias resistentes vêm crescendo no Brasil e já causam ao menos 23 mil mortes por ano, estimam especialistas.

Uma das principais causas da resistência bacteriana é o uso excessivo de antibióticos, inclusive dentro do ambiente hospitalar. Por esse motivo, hospitais brasileiros vêm implantando um novo sistema para controlar o consumo desses medicamentos e evitar abusos.

“Há uma dificuldade estrutural para enfrentar a resistência antimicrobiana, mas hoje sabemos que é preciso implementar regras básicas para diminuir o uso de antimicrobianos. O paciente chega com um problema e o médico já prescreve o antibiótico,” afirma Sylvia Lemos Hinrichsen, médica infectologista e professora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Desde o ano passado, Sylvia vem treinando hospitais brasileiros a racionalizar o uso de antibióticos, após estudar programas de gestão de uso desses medicamentos no Reino Unido.

Gestão racional

Chamadas de Antimicrobial Stewardship Program (ASM), as iniciativas começaram nos anos 2000 e se tornaram comuns na Europa e nos Estados Unidos com a preocupação crescente sobre superbactérias. No Brasil, programas para controle do uso de antibióticos também não são novos, mas as iniciativas ainda estão em fase inicial.

O objetivo é que os médicos usem antibióticos de maneira mais precisa e evitem desperdícios. Quanto mais se usa um antibiótico sem necessidade, maior o risco de se criar uma superbactéria.

De acordo com informações compiladas pelo Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos em 2014, cerca de 20% a 50% dos antibióticos prescritos em hospitais de cuidados intensivos naquele país são ou desnecessários ou foram prescritos incorretamente.

No Brasil, as estatísticas não são melhores, segundo os médicos.

“Costumávamos tratar pacientes antes mesmo da cirurgia. A pessoa ia tirar um dente e começava com o antibiótico dias antes. E isso traz riscos muito graves”, explica a médica Maria Manuela Alves dos Santos, superintendente do Consórcio Brasileiro de Acreditação, que certifica a qualidade de hospitais em parceria com a Joint Commission International.

Desde julho, a JC incluiu gestão racional de antibióticos como um dos requisitos para seu selo de qualidade. Para usar esses medicamentos de maneira mais eficiente, os hospitais precisam mapear os organismos infecciosos mais comuns em sua unidade e criar mecanismos para identificar rapidamente as reais causas das infecções em pacientes.

“Da mesma forma que um hospital precisa de uma equipe de limpeza, precisa de uma equipe de microbiologia para saber sua realidade microbiológica. Porque é a partir disso que vou sugerir guias terapêuticos para os meus médicos”, diz Pedro Mathiasi, infectologista do HCor, em São Paulo, que desde 2013 lidera um programa de gestão racional de uso de antibióticos.

Demora

Quando um doente chega ao hospital, os médicos muitas vezes não conseguem identificar prontamente a causa da infecção, mas colocam o paciente sob antibióticos, para evitar que a doença se alastre, enquanto colhem amostras para investigar o problema.

Essa investigação é feita pelo laboratório de microbiologia, que determina quais bactérias, fungos ou vírus são a causa de determinada doença. Em países desenvolvidos, esses testes saem em até duas horas, mas, no Brasil, médicos relatam que resultados podem levar até sete dias para ficar prontos.

“Se o laboratório de microbiologia dá retorno rápido, o médico ajusta o tratamento. Isso traz resultados melhores para o paciente e reduz o tempo dele no hospital”, explica José Martins de Alcântara Neto, farmacêutico do Hospital Universitário Walter Cantídio, de Fortaleza, que em fevereiro desse ano também implantou um programa para racionalizar o uso de antibióticos.

Porém, quanto mais esses testes demoram, maior o risco de pacientes receberem antibióticos fortes demais, que atacam múltiplas bactérias ao mesmo tempo. Chamados de amplo espectro, esses medicamentos são efetivos, mas selecionam mais bactérias resistentes.

“Quando chega o resultado, vejo se posso diminuir o espectro do antibiótico, se posso dar uma dose mais branda. Esse é o pulo do gato. Porque às vezes você está dando um tiro de canhão na bactéria quando um tiro de chumbinho resolveria”, compara Mathiasi.

Desde 2014, o HCor diz ter reduzido em 60% o uso de antifúngicos e de carbapenêmicos, uma classe de antibióticos de amplo espectro. A queda foi registrada na UTI de cardiopediatria, que faz cirurgias de alta complexidade em crianças.

A instituição também reduziu à metade casos de diarréia causadas pela bactéria Clostridium difficile, que é associada ao uso de antibióticos. “Conseguimos praticamente tudo: redução dos índices de resistência, de custo com antibióticos e de efeito adverso para os pacientes”, enumera Mathiasi.

A passos lentos

O HCor faz parte de uma rede de 220 hospitais nacionais que têm sido treinados dentro de um programa internacional da empresa farmacêutica MSD. A companhia diz que já levou a iniciativa a 26 países.

Oferecido gratuitamente, o programa faz parte dos esforços da companhia para que seus antibióticos durem mais. Com a capacidade de bactérias de se adaptar rapidamente aos medicamentos desenvolvidos para eliminá-las, remédios às vezes podem se tornar inúteis em poucos anos, gerando perdas às farmacêuticas.

A ideia é elogiada por especialistas, mas ainda está longe de representar a realidade brasileira.

“Não estamos onde deveríamos estar,” resume Ana Gales, coordenadora do Comitê de Resistência Antimicrobiana da Sociedade Brasileira de Infectologia. “Um programa como esse deveria estar em todos os hospitais brasileiros. Mas, como país subdesenvolvido, temos instituições onde isso está completamente implantado, mas outras que ainda nem começaram”, diz.

Parte dos entraves é estrutural. O Brasil tem cerca de 6,2 mil hospitais, e nem todos possuem laboratórios de microbiologia, o que dificulta tratamentos precisos.

Um levantamento preliminar da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 2015 indicou que o país tinha 660 laboratórios do gênero cadastrados em seu sistema – praticamente um para cada dez hospitais. A agência diz que abriu nova chamada para cadastrar essas instituições.

Também não há ainda um guia nacional para as instituições hospitalares. Aqueles que adotaram tais iniciativas recorreram a publicações internacionais, como a da Sociedade Americana de Doenças Infecciosas (IDSA, na sigla em inglês).

Em nota, a Anvisa informou que trabalha desde novembro em uma diretriz nacional para hospitais e que irá publicá-la até o final do ano.

“Um modelo nacional vai sem dúvida estimular os hospitais a adotar o modelo”, avalia Alcântara Neto, do Hospital Walter Cantídio. “Você imagina, vários hospitais do Ceará, trabalhando com uma mesma metodologia. Tem chance de dar resultados melhores.”

Lucro

Outro entrave é comercial. Ainda perdura em muitos hospitais, principalmente privados, a visão de que usar antibióticos é uma prática lucrativa. As instituições, ao medicar pacientes, cobram dos convênios o uso desse medicamento, num modelo de revenda, no qual garantem margem de lucro.

Mas especialistas dizem que a prática está cada vez mais em declínio. “A gente já identifica que esse pagamento por serviço de antibiótico está morrendo. Poucos hospitais ainda sobrevivem disso”, diz Mathiasi, do HCor.

Sylvia Hinrichsen, da UFPE, acredita que a mentalidade econômica do uso de antibióticos e a cultura de usar o medicamento em excesso precisam mudar por inteiro – e que o paciente também faz parte dessa mudança.

“Essa cultura vai precisar mudar porque a própria população vai começar a entender que não é para tomar antibiótico por 21 dias, não é para tomar quatro tipos de antibióticos numa tacada só”, diz.

“Vai ser igual a quando começamos a usar cinto de segurança – vamos entender que o risco de não utilizar corretamente pode ser fatal.” (G1)

‘Operação Navalha’ cumpre mandados em três cidades do Sertão de Pernambuco

Mandado de internação provisória por ato infracionario  (Foto: Divulgação/ PC-PE)

 

 

Polícia Civil deflagrou nesse sábado (22) a ‘Operação Navalha’ em três municípios do Sertão pernambucano: Petrolina, Afrânio e Dormentes. Todos os seis mandados expedidos foram cumpridos. Entre eles, mandados de internação provisória de adolescentes autores de atos infracionários análogos a crimes de ameaça e homicídio, mandado de prisão preventiva pela prática de Crimes Violentos Letais Intencionais e ameaça combinada com Maria da Penha.

A ação está sendo realizada pela 217º Circunscrição de Polícia Civil em conjunto com a 216º Circunscrição, coordenada pelo delegado José Renivaldo da Silva. O objetivo é dar cumprimento aos mandados de prisão e afastar a impunidade na região.

Segundo a Polícia Civil, novas operações devem ser realizadas nos municípios. (G1)

Inscrições para concurso da UPE foram prorrogadas; há vagas para Serra Talhada

A Universidade de Pernambuco (UPE) alterou as datas da provas do concurso, que visa preencher 388 vagas de nível superior e médio da instituição. Previstas para agosto, as avaliações vão ocorrer no dia 1º de outubro. As inscrições, que acontecem pelo site da organizadora, também foram prorrogadas e vão até o dia 31 de julho.

São 157 vagas para o cargo de analista técnico em gestão universitária, 222 para assistente técnico em gestão universitária e nove para médico, incluindo plantonista. Os salários vão de R$ 1.157,98 a R$ 7.514,74. A taxa custa R$ 100 para os cargos de analista técnico em gestão universitária e médico e de R$ 70 para o cargo de assistente técnico em gestão universitária.

As oportunidades são distribuídas entre as unidades de educação e saúde em ArcoverdeCaruaruPetrolinaSalgueiroSerra TalhadaGaranhuns, Zona da Mata, Região Metropolitana do Recife e no Complexo Hospitalar da Unidade, composto pelo Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc) e Pronto-Socorro Cardiológico Universitário de Pernambuco Prof. Luiz Tavares (Procape).

As vagas para analista são para administrador, analista de sistemas (infraestrutura, banco de dados, engenharia de software, web designer, desenvolvimento de web, análise de processos, segurança da informação), assistente social, bibliotecário, biólogo, biomédico, contador, dentista, enfermeiro, engenheiro, farmacêutico, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, nutricionista, pedagogo, psicólogo, secretária executiva, terapeuta ocupacional, tradutor e técnico em radiologia.

Para o cargo de assistente técnico, são vagas para as funções de atendente de clínica odontológica, assistente administrativo, além de técnicos em administração, contabilidade, edificações, enfermagem, informática, laboratório/análises clínicas, laboratório (eletrônica, mecânica), secretariado e segurança do trabalho. Para médicos, há oportunidades na função de cardiologista pediátrico, cirurgião oncológico adulto, ginecologista e obstetra, intensivista adulto e oncologista pediátrico.

O resultado final da seleção está previsto para ser divulgado no dia 14 de novembro. (G1)

Agência do Trabalho anuncia novas oportunidades de emprego para Serra Talhada

Imagem relacionada

 

 

 

 

A Agência do Trabalho de Serra Talhada em parceira com o Jornal Desafio Online, atualizou seu cadastro de vagas de emprego nessa sexta-feira (21) e está oferecendo 06 oportunidades, são elas: Coordenador Comercial, Cuidador de Idoso, Terapeuta Ocupacional, Manicure, Babá e Secretaria Executiva.

Para concorrer basta enviar seus currículos para o e-mail: [email protected], juntamente com o número do PIS ou NIT e o cargo que pretende ocupar. A Agência está localizada na Avenida Afonso Magalhães, próximo à Câmara de Vereadores.

Maiores informações (87) 3831-9244 / 3831 – 9245 / 3831-9240. Confira as especificidades dos cargos abaixo.

Clique aqui para baixar o quadro de vagas de emprego

Chuvas provocam 61 deslizamentos e deixam 369 desalojados em 24 horas no Estado

 

 

 

 

 

Foram registrados 61 deslizamentos de barreiras em Pernambuco após as chuvas da madrugada desta sexta-feira (21). Quase 400 pessoas estão desalojadas e 415, desabrigadas. Desde o início do período de chuvas em Pernambuco, em maio, já foram registradas cinco mortes, 1.403 desabrigados e 6.512 pessoas desalojadas no Estado.

Os treze municípios mais atingidos pelas precipitações das últimas 24 horas são: Sirinhaém, Rio Formoso, Barreiros, Ribeirão, Gameleira, Escada, Primavera, Bonito e Cortês, na Zona da Mata; Barra de Guabiraba, no Agreste, além de Tamandaré, Ipojuca e Cabo de Santo Agostinho, na Grande Recife.

Estado de emergência
Em maio, foram decretados estado de emergência em 27 cidades afetadas pelo grande volume de chuvas. Elas são: Amaraji, Água Preta, Barra de Guabiraba, Belém de Maria, Catende, Cortês, Jaqueira, Maraial, Palmares, Ribeirão, Rio Formoso, São Benedito do Sul, Barreiros, Gameleira, Caruaru, Ipojuca, Joaquim Nabuco, Jurema, Lagoa dos Gatos, Primavera, Quipapá, Sirinhaém, Tamandaré, Xexéu, São José da Coroa Grande, Bonito e Escada.

Nesta semana, a cidade de Garanhuns, no Agreste, também decretou estado de emergência. No município, já choveu 78% a mais do que a média de julho, de acordo com a Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac).

Doações
De acordo com dados do Governo do Estado, nesta sexta-feira (21), foram distribuídas 620 cestas básicas e 684 colchões. Pouco mais de 412 toneladas de cestas básicas com alimentos de pronto consumo foram arrecadadas e distribuídas, além de 186,2 toneladas de alimentos avulsos, 118,7 toneladas de roupas, 252.288 litros de água, 28.759 colchões e 17,3 toneladas de materiais de higiene e limpeza. Também foram instalados 282.400 m² de lonas para a proteção de barreiras.

Os interessados em ajudar financeiramente os 27 municípios da Mata Sul pernambucana que estão em estado de emergência desde maio, podem fazer depósitos na Caixa Econômica Federal, agência 1294, conta 71037-9.

Os recursos farão parte do Fundo de Amparo aos Municípios Atingidos pelas Chuvas (FAMAC), estabelecido pelo decreto 44.692/2017. O montante arrecadado será investido em melhoria dos abrigos; reconstrução de bueiros, passagens molhadas e pontes; restabelecimento de escolas, hospitais e postos de saúde danificados pela enchente; e ajuda humanitária.

 

 

Da Folha de Pernambuco

Michel Temer diz que população vai entender sobre aumento de impostos

Resultado de imagem para “POPULAÇÃO VAI ENTENDER”, DIZ TEMER SOBRE AUMENTO DE IMPOSTOS

Ao desembarcar na noite da última quinta-feira (20) em Mendonza, na Argentina, para participar da cúpula do Mercosul – reunião em que o Brasil irá assumir a presidência rotativa do bloco –, Michel Temer falou sobre o aumento da tributação sobre os combustíveis. Para o presidente, o brasileiro vai entender a medida.

“A população vai compreender, porque esse é um governo que não mente. Não dá dados falsos. É um governo verdadeiro. Então, quando você tem que manter o critério da responsabilidade fiscal, a manutenção da meta, a determinação para o crescimento, você tem que dizer claramente o que está acontecendo. O povo compreende”, afirmou.

Temer disse que era necessário o reajuste. “Isto é o fenômeno da responsabilidade fiscal. E essa responsabilidade fiscal é que importou nesse pequeno aumento do PIS/Cofins. Exatamente para manter, em primeiro lugar, a meta fiscal que nós estabelecemos, em segundo lugar, para assegurar o crescimento econômico, que pouco a pouco vem vindo. Vocês estão percebendo que, aos poucos, o crescimento vem se revelando. Era preciso estabelecer este aumento do tributo para manter esses pressupostos que acabei de indicar”, afirmou.

governo anunciou nesta quinta o aumento da tributação sobre os combustíveis e um bloqueio adicional de R$ 5,9 bilhões em gastos no orçamento federal. Em nota, os ministério da Fazenda e do Planejamento informaram a elevação da alíquota de PIS e Cofins sobre os combustíveis, começando a valer nesta sexta (21).

A tributação sobre o diesel subirá em R$ 0,21 e ficará em R$ 0,46 por litro. Já a tributação sobre o etanol subirá R$ 0,20 por litro. Veja o quadro abaixo:

 (Foto: Reprodução)O aumento será para as refinarias e importadores e, no caso do etanol, para produtores e distribuidores, e será repassado aos postos. Entretanto, caberá aos donos dos postos decidirem se repassam toda a alta para as bombas, ou seja, para os consumidores. Nesta sexta, o governo deve dar mais detalhes sobre as medidas.
Do G1

Carga de 25 toneladas de carne é roubada na BR-116 em Salgueiro

O motorista de um caminhão que transportava 25 toneladas de carne, foi assaltado na BR-116, há 10 km de Salgueiro, no Sertão de Pernambuco, na noite da última quinta-feira (21).

De acordo com a polícia, cerca de 15 pessoas que estavam em quatro carros , interceptaram o caminhão e o levaram para a Zona Rural. Os bandidos, descarregaram a carne e passaram para outros caminhões. A ação durou cerca de oito horas. O motorista do caminhão foi liberado por volta das 5 horas da manhã dessa sexta-feira (21), junto com a família.

A Polícia Civil informou que ninguém ficou ferido e nenhuma pessoa foi presa até o momento. (G1)

Mulher morre e homem fica ferido após carro capotar na PE-217, no Agreste de PE

Carro capotou após motorista perder o controle do veículo (Foto: Sérgio Galindo/Divulgação)

 

Uma mulher morreu e o marido dela ficou ferido em um acidente na tarde dessa sexta-feira (21) em Pesqueira, no Agreste de Pernambuco. De acordo com a Polícia Militar, o casal trafegava pela PE-217 quando o homem perdeu o controle do carro e capotou.

Ainda segundo a PM, estava chovendo no momento do acidente. O casal foi levado para o Hospital Municipal Doutor Lídio Paraíba. A mulher não resistiu aos ferimentos e morreu na unidade de saúde. O homem foi atendido e liberado.

O corpo da vítima deve ser encaminhado ao Instituto de Medicina Legal (IML). (G1)